Forte calor prejudica plantações de café do sul de Minas Gerais

Imprimir

Os produtores do sul de Minas Gerais que investiram no plantio de novas áreas de café foram surpreendidos com o forte calor desse início de ano. Muitas mudas secaram e as que conseguiram sobreviver vão sofrer um atraso no desenvolvimento.

A planta foi queimada pelo sol e o pé novo de café morreu seco. Depois de ver parte da lavoura sofrer com o calor e a falta de água, o produtor Roberto Rezende, de Três Pontas, começou a aplicar uma calda, que segundo ele, funciona como um filtro solar nas folhas. “Nada mais é do que cal virgem com açúcar, fica uma camada esbranquiçada, que ajuda a amenizar o sol escaldante”, diz.

As mudas plantadas no fim do ano passado não aguentaram. A chuva dos últimos dias foi fraca, não chegou a 30 milímetros, e não ajudou a salvar a plantação.

As mudas que sobreviveram, não conseguiram se desenvolver e ficaram muito pequenas. Se não fosse a estiagem fora de época, elas estariam com o dobro do tamanho que estão agora, mas nesta situação, todo o ciclo produtivo da planta está comprometido.

Em outra lavoura, por exemplo, a primeira produção deve acontecer com, pelo menos, um ano de atraso. A produção da lavoura de café se inicia, em média, a partir de dois anos e meio, mas na propriedade de Venício Mesquita, dos 80 mil pés de café plantados em novembro, mais da metade não resistiu à estiagem deste começo de ano.

Em Varginha, as lavouras de café também sofreram com a estiagem. O agrônomo Rodrigo Paiva explica como o clima afeta os novos pés e o comprometimento da produtividade no futuro. Confira a entrevista no vídeo com a reportagem completa.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *