Feira discute custos de produção

Imprimir

A necessidade de reduzir os custos de produção para ampliar a competitividade do café produzido em Minas Gerais é um dos principais fatores que irão estimular os negócios ao longo da 12ª edição da Feira de Máquinas, Implementos e Insumos Agrícolas (Femagri), que acontece de 13 a 15 de março, em Guaxupé, no Sul do Estado.

O evento, que é organizado pela Cooperativa Regional dos Cafeicultores de Guaxupé (Cooxupé), tem previsão de movimentar cerca de R$ 60 milhões, valor que deve ficar 14,2% inferior aos R$ 70 milhões faturados na edição anterior. A expectativa mais cautelosa se deve aos preços baixos pagos pelo café, o que poderá interferir na intenção de investimento do cafeicultor.

Para o gerente de Desenvolvimento Técnico e Comercial da Cooxupé, José Geraldo Junqueira Filho, apesar do momento ainda desfavorável para a comercialização, a necessidade dos cafeicultores em reduzir os custos de produção, em agregar valor e em ampliar a competitividade deverá contribuir para que os investimentos sejam realizados.

"Apesar dos preços pagos pelo grão estarem abaixo do esperado pelos cafeicultores, acreditamos que, mesmo em menor escala, os investimentos em máquinas e implementos que venham para agilizar o serviço e contribuir para a redução dos custos, serão mantidos", disse Junqueira.

A feira – O evento, cujo tema é o "Manejo mecanizado gerando resultados", deverá receber cerca de 22 mil pessoas ao longo dos três dias. Segundo Junqueira, este ano a área da feira está 40% maior em relação a 2012, sendo composta por 141 estandes, a maioria já comercializada para empresas fornecedoras. O incremento no número de estandes foi de 20%. Já o número de fornecedores passou de 94 para 115, alta de 22,3%.

Na área de negócios, uma equipe de 40 vendedores e 12 agrônomos de filiais da Cooxupé também estarão à disposição dos visitantes para responder as principais dúvidas e auxiliar nas transações comerciais. A feira, que é uma das principais da cafeicultura, apresentará as novidades do setor para os produtores da região. Cerca de 85% dos associados da Cooxupé são de pequeno porte e, por causa disso, o evento reune o que há de mais novo e acessível aos pequenos, para que os mesmos tenham condições de aplicar essas inovações na lavoura.

"Nosso objetivo é mostrar que existe tecnologia disponível e aplicável aos cafezais de todos os portes. Além disso, a feira é uma boa oportunidade para que os produtores se atualizem em relação ao que foi desenvolvido para o setor", disse.

Ao longo do evento, os visitantes também terão a oportunidade de conferir diversas demonstrações que são importantes para melhorar a produção. Dentre elas estão a granelização de fertilizantes, benefício e preparo de café voltado ao pequeno produtor, adequação da propriedade à legislação de defensivos, destino correto de águas residuárias, fossa séptica, entre outros.

Valor e volume – Em relação ao mercado, os preços do café vêm mantendo a trajetória de queda em fevereiro. De acordo com o levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), entre 1º e 14 de fevereiro, o valor da saca de café de 60 quilos, tipo 6, bebida dura para melhor, recuou 5,46%, sendo negociada no dia 14 de fevereiro a R$ 317,82.

De acordo com dados da Cooxupé, na safra 2012 foram produzidas na área de atuação da cooperativa 9,684 milhões de sacas do grão. Para 2013, o primeiro levantamento de produção, divulgado em dezembro, estimou um volume de 7,254 milhões de sacas, o que representa uma quebra de 25,1%. A redução está ligada ao período de bianualidade negativa da região. As informações são do Diário do Comércio, adaptadas pelo CaféPoint.

Fonte: CaféPoint

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *