Exportações brasileiras deverão aumentar 30%

Imprimir
O país deve fechar o ano com exportações de 34,5 milhões de sacas de café, segundo estimativa do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). Se confirmado, o volume será quase 13% superior ao de 2017 (30,7 milhões).

Com esse desempenho, o país deve recuperar parte da participação perdida no mercado internacional no último ano, disse Marcos Matos, diretor-geral do Cecafé, em entrevista durante o Encafé – Encontro Nacional das Indústrias de Café, que acontece em Punta del Este, no Uruguai.

Em 2017, a participação do país nas exportações globais de café ficou em 25,8%. Em 2015, havia atingido 32%. “A participação deve voltar para cerca de 30%”, afirmou Matos. Os números de exportação incluem café verde, solúvel e torrado e moído.

O Brasil perdeu participação do mercado internacional em 2017 porque houve menos café disponível para exportação, principalmente da espécie conilon. A oferta de conilon foi limitada porque o principal Estado produtor, o Espírito Santo, sofreu duas safras seguidas com a seca.

A produção capixaba começou a se recuperar na safra 2017/18, mas foi na atual temporada que ganhou mais fôlego, avançando quase 50%. Com isso, a colheita total no país chegou a 13,9 milhões de sacas de conilon, 30% acima do ciclo 2017/18, segundo a Conab.

Entre janeiro e outubro, as exportações brasileiras de café somaram 27,5 milhões de sacas, 10,3% mais que no mesmo período de 2017. As exportações de arábica, na mesma comparação, cresceram 2,6%, para 22,408 milhões de sacas e as de conilon, impressionantes 874,5%, para 2,072 milhões de sacas, de acordo com o Cecafé.

Segundo Matos, a expectativa de que as vendas externas superem a marca de 34 milhões de sacas se deve ao ritmo forte dos embarques neste quarto trimestre.

Em palestra no Encafé, o analista do Rabobank, Guilherme Morya, destacou que o Brasil conseguiu se recuperar no mercado de exportações este ano e estimou que em 2019 os embarques de conilon podem crescer ainda mais, diante da expectativa de um aumento da produção da espécie na safra 2019/10.

O Rabobank estima que o Brasil deve produzir entre 55 milhões e 56 milhões de sacas de café na safra 2019/20 ante 56,8 milhões de sacas que projeta para a atual temporada. Do volume total estimado para o próximo ciclo, o banco projeta que a produção de arábica deve ficar entre 37 milhões e 38 milhões de sacas e a de conilon entre 17 milhões e 18 milhões de sacas.

Fonte: Valor Econômico (Por Alda do Amaral Rocha – a jornalista viajou a convite da Associação Brasileira da Indústria do Café – Abic)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *