Evento reúne cafeicultores familiares e compradores internacionais

Imprimir

Teve início na última segunda-feira (1º) o I Concurso de Qualidade de Café Especial do Programa Força Café. O evento avalia o produto dos cafeicultores familiares das regiões Sul e Matas de Minas Gerais. Para isso, conta com a participação de compradores e torrefadores internacionais que vieram conhecer e analisar as etapas do plantio até a xícara. Tim Hortons (Canadá), Lavazza (Itália), InterAmerican Coffe (EUA) e KLD Coffee Importers (Rússia) são alguns dos participantes.

O encontro é promovido pelo Programa Força Café, da Fundação Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil, e apoiado pela Stockler Comercial e Exportadora Ltda, membro da Neumann Kaffee Gruppe – NKG. A programação do evento inclui dia de campo, com visitas a comunidades rurais e provas de classificação e degustação de cafés.

Para o representante da InterAmerican Coffee, John Mason, hoje os clientes querem “um café com uma história. Eles querem saber quem é o patrão, o trabalhador, tudo isso porque eles querem saber que o café que eles estão comprando não está prejudicando ninguém. Eles querem um café de qualidade.”

O evento proporciona uma imersão na cultura do café, principalmente para aqueles que lidam com a bebida, mas não conhecem a complexidade de todo seu processo de fabricação. É o caso do proprietário de cerca de 50 lojas das franquias de fast food “NY Pizza” e cafeterias “Kuzina”, operando em mais de 10 cidades da Rússia. “Quando você é dono de franquias você não está realmente pensando no processo de produção do café. Há centenas de tipos de café, vindos de muitos lugares e existem pequenas diferenças e nuances entre eles. E participar de eventos assim nos dá oportunidade de não só educar os clientes mas também de provar esses diferentes cafés, consumir produtos de melhor qualidade”, aponta Eric Shogen.

O concurso conta com 394 participantes de 17 cidades, sendo que para a final foram selecionados cafés de Lambari, Jesuânia, Candeias, Santa Margarida, Manhuaçu e Perdões. Os cafeicultores ressaltam a importância não só do concurso mas do apoio que recebem do Força Café. “O Força Café trouxe mais incentivo para produzir café e também mais instruções, porque antes, colhíamos o grão, misturávamos tudo e vendíamos. Agora já sabemos, antes de colher, qual vai ser o melhor café”, comenta o participante do concurso, José Wagner Ferreira, da comunidade do Paolinho, município de Lambari (MG).

O Força Café trouxe incentivo também para o pequeno e iniciante produtor Vinícius Rafael Ribeiro Magalhães. “Comecei a plantar no meu próprio terreno há pouco tempo. Ainda não estou preparado para participar do concurso, mas com o trabalho do Força Café pretendo melhorar e crescer cada vez mais e quem sabe, no próximo ano posso estar entre os finalistas”.

“Um dos objetivos do concurso é criar condições de igualdade e trazer para perto dos produtores a possibilidade de negociar o café de qualidade com os compradores e torrefadores internacionais, que podem pagar um preço diferencial pelo produto. Isso motiva ainda mais os cafeicultores familiares do Força Café”, explica o Diretor Técnico da Fundação Neumann no Brasil, Maximo Ochoa. Na sexta-feira (05) acontecerá o encerramento, com premiação dos melhores cafés e confraternização entre os produtores e compradores.

Força Café é o nome com que se conhece os projetos implementados pela Fundação Neumann do Brasil, membro da rede Hanns R. Neumann Stiftung que trabalha com mais de 150 mil produtores de café e cacau em 13 países de Ásia, África e América Latina. No Brasil beneficia 5mil famílias produtoras de café das regiões Sul e Matas de Minas. 

Fonte: Rede Social do Café (Ana Paula Dias e Marina Alvarenga Botelho)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *