Evento em Muzambinho reúne lideranças para discutir soluções para o café brasileiro

Imprimir

O I Fórum de Desenvolvimento da Cafeicultura reuniu mais de 620 pessoas entre lideranças da cafeicultura, produtores rurais de 60 cidades dos Estados de Minas Gerais e São Paulo e autoridades políticas, nesta quarta-feira, 22, no Instituto Federal Sul de Minas em Muzambinho- IFSULDEMINAS Campus Muzambinho/MG.

O evento apresentou diversas palestras, debates e propôs soluções para várias questões que impactam na produção, qualidade e precificação do café nacional.

Fernando Barbosa, presidente do Conselho de Café da AMOG abriu os debates juntamente com Arnaldo Bottrel, presidente da ASSUL – Associação dos Sindicatos Rurais do Sul de Minas, organizadores do evento, falando da importância da união histórica das lideranças na busca de resultados concretos e viáveis para o setor.

PREÇOS MÍNIMOS
O primeiro painel, apresentado por Fabricio Andrade, coordenador do centro de inteligência da UFLA- Universidade Federal de Lavras- trouxe a precificação, a divisão dos custos e todos os impactos internos e externos que resultam no lucro do produtor, de forma didática, explicando ponto a ponto os custos da lavoura em todos os processos.

CLIMA E O CAFÉ
O segundo painel trouxe o pesquisador Luiz Carlos Molion, alertando sobre as perspectivas de aumento das chuvas no sudeste mineiro, o impacto dos gases na camada de ozônio e como o produtor pode e deve se informar mais sobre o tema. 

MARKETING PARA O CAFÉ BRASILEIRO: COORDENAÇÃO DAS AÇÕES É FUNDAMENTAL
Paulo Henrique Leme, consultor de marketing, explicou para os presentes a importância do marketing no valor agregado do produto e como o café brasileiro, que tem variedades e peculiaridades de acordo até com a região que é cultivado, pode ser trabalhado em públicos alvos e diferentes mercados, de acordo com a qualidade apresentada – "é preciso um esforço de todo o setor para criar uma coordenação estratégica de marketing para concentrar e dirigir os esforços de comunicação dos cafés do Brasil" – ressaltou o consultor.

OFICIO ENTREGUE AO GOVERNADOR
Pela primeira vez, o setor se uniu e as discussões do Fórum do Desenvolvimento do Café, resultaram em um documento onde oficialmente reivindica políticas e melhorias para os cafeicultores, incluindo sugestão de preço mínimo para as sacas de café de acordo com a qualidade, segurança patrimonial, seguro agrícola e política de marketing para os cafés brasileiros. Recebeu o documento, com o objetivo de encaminhar para o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, o Secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, João Cruz Reis Filho. 

Após a entrega do ofício, um painel de discussões entre os deputados Antonio Carlos Arantes, Cassio Soares, Emidio Alves Madeira Junior juntamente com Breno Mesquita (diretor da FAEMG), Fernando Barbosa (presidente do Conselho do Café da AMOG), Vanusia Nogueira (representante da BSCA – Associação Brasileira de Cafés Especiais), Paulo Henrique Leme (consultor de Marketing) e Luiz Carlos Machado Rodrigues (diretor do Instituto Federal – IFSULDEMINAS). A moderação foi feita pelo jornalista Joao Batista Olive, que conduziu as perguntas feitas pelo público aos participantes. "Este evento promoveu a troca de ideias e provocou a disseminação da informação não só para quem participou do Fórum, mas também para quem estava em casa ou no campo, através da transmissão ao vivo pelo canal Notícias Agrícolas.", afirmou Arnaldo Bottrel, um dos organizadores.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Phábrica de Ideias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *