EUA: Varejo investe no café bebido em casa

Imprimir

A Dunkin Donuts está disputando com a Starbucks a primazia do lançamento de um produto para máquinas domésticas de café premium que preparam doses individuais, um mercado, nos Estados Unidos, onde as empresas esperam ampliar seus lucros.

As duas redes estão ampliando seus investimentos no denominado setor do "café em casa", num momento em que sua rentabilidade está ameaçada pelos preços do café, que atingiram no mês passado o maior pico em 34 anos. Isso porque o café embalado promete maiores margens de lucro do que as lojas de marca das companhias.

As ações da Green Mountain Coffee Roasters, que produz a mais popular das máquinas que preparam café em doses individuais nos EUA, estão sendo negociadas por valores mais comumente associados às principais empresas de mídia on-line.

"Esse produto tem tudo a ver com praticidade", disse Nigel Travis, presidente da Dunkin Donuts, que afirma ser a maior comercializadora de café nos EUA e vende mais de 1 bilhão de xícaras por ano em suas lojas.

"Muitos de nossos clientes vêm às nossas lojas duas ou três vezes por dia, mas eles ficam desesperados pelo nosso café à noite. Isso vai atender essa demanda", diz ele.

Na Europa, o sistema de café em cápsulas para alimentar máquinas de expresso foram popularizadas pela Nestlé, com a marca Nespresso. As empresas americanas estão apostando que os consumidores americanos serão atraídos pela facilidade de usar as cápsulas individuais, bem como a ausência de resíduos, em comparação com as máquinas tradicionais.

A Starbucks diz esperar que, no futuro, sua própria operação de porções individuais de café gerará cerca de US$ 1 bilhão em vendas anuais. Larry Miller, analista da RBC Capital Markets, disse: "Há um pouco de exagero (sobre o potencial de mercado) nos negócios com café em porções individuais, mas é uma oportunidade muito grande em aberto".

As ações da Green Mountain, que embalará os grãos de café tanto para a Starbucks como para a Dunkin Donuts, estão sendo negociadas por um valor equivalente a 53 vezes seu lucros previstos para os próximos 12 meses. As ações da Green Mountain deram um salto de 41%, no mês passado, no dia em que a Starbucks anunciou uma parceria com a empresa.

A Dunkin Donuts anunciou seu contrato com a Green Mountain em fevereiro e pretende lançar suas cápsulas nos EUA no verão no hemisfério norte, antes do lançamento pela Starbucks, no outono. A Green Mountain vende as máquinas de café a preço de custo, de até apenas US$ 100, e lucra em cima das cápsulas, vendidas por US$ 0,60 a US$ 0,80 no varejo.

O preço do café arábica – de grãos de alta qualidade -, subiu 89% nos últimos 12 meses. A Starbucks disse no mês passado que iria elevar em 12% o preço de atacado do seu café embalado. Ambas as empresas rejeitam as sugestões de que as cápsulas premium são um meio disfarçado de implementar novos aumentos de preços.

Fonte: Valor Econômico via Financial Times

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *