Estoques de café em países exportadores são os menores da história

Imprimir

A nova safra internacional de café, a 2012/2013 (de outubro de 2012 a setembro de 2013), começa a chegar em maior quantidade ao mercado, diz o relatório mensal de dezembro da Organização Internacional do Café (OIC).

Esta colheita apresenta aumento, principalmente de países da África e também da Indonésia, hoje já o terceiro maior produtor mundial do grão. No Brasil, embora o calendário da safra de café seja diferente do internacional, a atual temporada que se encerra em junho é recorde e estimada em 50,83 milhões de sacas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Entretanto, alguns países da América Central têm sido afetados pelo clima adverso, pragas e doenças, especialmente pela ferrugem e pela broca, que poderiam ter impacto sobre os níveis de produção daqui para a frente.

A Índia reduziu sua estimativa de safra 2012/13 para 5,3 milhões de sacas. E é pouco provável que o Vietnã repita a mesma produção de 2011 (24,058 milhões de sacas) nesta temporada. Já a Colômbia deverá recuperar a safra para níveis anteriores de produção. Em 2011, foram 7,653 milhões de sacas e a projeção para 2012 é de 8 milhões de sacas.

A produção mundial no ciclo 2012/13 foi estimada provisoriamente para 144,1 milhões de sacas, aumento de 7,2% sobre 2011/12.

O consumo mundial continua razoavelmente resistente às preocupações macroeconômicas, e há forte potencial de crescimento em países exportadores e emergentes. Além disso, os estoques iniciais nos países exportadores são projetados em 15,1 milhões de sacas, o mais baixo nível já registrado. Com os estoques em baixa, parece haver um potencial limitado para novas quedas de preço da commodity, de acordo com a entidade.

As exportações globais de café alcançaram 9,2 milhões de sacas em novembro de 2012, ante 7,9 milhões no mesmo mês de 2011. Os embarques de janeiro a novembro de 2012 totalizaram 103,5 milhões de sacas, aumento de 8,5% sobre o mesmo intervalo do ano anterior. Um nível recorde de importação de 108,7 milhões de sacas foi registrado no ciclo 2011/12.

Fonte: Valor Econômico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *