Espírito Santo e São Paulo se unem para pesquisa de cafés mais resistentes à seca

Imprimir
O Espírito Santo e São Paulo vão firmar parceria de cooperação técnica e científica para a transferência de tecnologia para o desenvolvimento de variedades de café e de outras culturas resistentes à seca. O anúncio foi feito, na quinta-feira (11/5), durante entrevista do vice-governador do Estado, César Colnago, e do secretário de Estado da Agricultura, Octaciano Neto, no Palácio da Fonte Grande, em Vitória.

O protocolo de intenções que será firmado entre os dois estados prevê a troca de experiência de sucesso de tecnologias desenvolvidas por São Paulo e Espírito Santo no desenvolvimento de variedades de café Conilon e de café arábica mais resistentes à seca, além de outras áreas, como produção animal, fruticultura e olericultura. Desta forma, os trabalhos desenvolvidos pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e pelo Instituto Agronómico (IAC) e pela Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), de São Paulo, serão compartilhados para auxiliar no desenvolvimento da agricultura e da agroindústria.

“A escassez hídrica que estamos atravessando nos últimos dias anos transformou a pauta da água em prioridade. Temos feito uma série de ações para reservação e preservação de nascentes, mas além disso também trabalhamos com o desenvolvimento de variedades que sejam mais resistentes à seca. O Incaper é um dos institutos que mais investe em pesquisa na cafeicultura e certamente a parceria com São Paulo irá nos ajudar a restabelecer a pujança da nossa produção”, afirmou Colnago.

O secretário de Estado da Agricultura, Octaciano Neto, afirmou que a parceria une um dos maiores institutos de pesquisa do Brasil. “O carro-chefe do Incaper é desenvolver trabalho de pesquisa para o café e, por isso, o setor se desenvolveu tanto no nosso Estado. O IAC é um grande instituto de pesquisa e juntos vamos assinar no sábado essa parceria para desenvolver variedades mais resistentes a seca. O café representa 40% do PIB agropecuário do Estado”, declarou o secretário Octaciano.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação SEAG (Com foto de Fred Loureiro/Secom-ES)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *