Engenheiro agrônomo acredita que o futuro da cafeicultura é a integração dos setores

Imprimir
Durante palestra realizada na Fenicafé – Feira Nacional de Irrigação em Agricultura, o engenheiro agrônomo, Rouverson Pereira da Silva, da Unesp de Jaboticabal, afirma que os sistemas inteligentes integrados vão impulsionam o crescimento da cafeicultura.

Em Araguari, Rouverson Silva abordou sobre a mecanização agrícola na era da agricultura digital. “O universo de tecnologias aplicadas na agricultura é bastante amplo, mas conseguimos manter o foco da agricultura 4.0, que é a agricultura digital, tanto no quesito mecanização agrícola, quanto no quesito geotecnologias”.

Silva garante que o conceito de máquina modular é uma tendência para o futuro. “A comunicação M2M (Máquina a Máquina), requer a comunicação integrada, onde uma máquina controla a outra e, por essa, controla todas as demais. Trata-se de uma fazenda interligada entre si”, explica, dizendo que para aderir este novo processo tecnológico é necessária mão de obra qualificada e assistência técnica eficiente.

Engenheiro agrônomo, Rouverson Pereira da Silva, da Unesp de Jaboticabal

Silva afirma que estamos vivemos hoje a quarta evolução agrícola. A previsão é que um produtor em 2020 produza alimentos para alimentar 200 pessoas. Mas para isso, antes de inserir essa tecnologia temos que fazer o básico com manutenção preventiva, equilíbrio operacional, dimensionamento de frota e treinamento de mão de obra. “Não adianta ter sensores, se está jogando água – irrigar é uma coisa; jogar água é outra. Devemos motivar a equipe, capacitar, impor meta e recompensa”.

Para ele, seria audacioso e pretencioso tentar prever o que acontecerá na cafeicultura nas próximas décadas. “A única certeza é de que o modelo de negócios da Agricultura irá se reinventar”, finaliza.

FENICAFÉ – A feira é voltada para a cafeicultura irrigada incluindo o processo de cultivo, plantio, manejo e colheita. É também um local para a divulgação de pesquisas e uma vitrine para as empresas expositoras que produzem produtos voltados para a cafeicultura.

O evento atrai todos os anos um público bem específico – produtores, pesquisadores, engenheiros, técnicos e estudantes que buscam conhecimentos na área de irrigação e cultivo de café. Todos os anos, passam pela Fenicafé um público médio de 20 mil pessoas, durante os três dias de evento.

Fonte: Ascom Fenicafé e foto de Henrique Vieira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *