Enchente prejudica e agrava o escoamento da produção no ES

Imprimir

A quantidade de chuva diminuiu um pouco, mas a situação no Espírito Santo ainda é grave. O estado registra 21 mortes.

Muitas propriedades rurais estão alagadas e não há como escoar a produção.

No norte do Espírito Santo, campos inteiros se reduziram a pequenas ilhas. Lavouras foram engolidas e fazendas desapareceram. Muitos trabalhadores rurais já não sabem o que fazer.

Os animais se apressam para chegar a um lugar mais seco, mas como falta alimento, voltam para a água.

Wolmar Borges perdeu mais de 10 cabeças de gado e para evitar mais prejuízos, passa o dia tocando os animais de propriedade em propriedade.

De acordo com o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, o Espírito Santo enfrenta a maior chuva desde que as medições meteorológicas começaram, há 90 anos.

O Incaper não sabe quantos produtores rurais foram prejudicados, nem o valor do prejuízo porque está sem acesso às propriedades, mas concluiu que uma das áreas mais afetadas é a do café, principal atividade agrária do estado.

Segundo o Sindicato Rural de Linhares, na região norte do Espírito Santo, em 100% das propriedades houve prejuízos. O sindicato estuda uma estratégia para recuperar a produção.

Mais de 200 pontes foram afetadas pela chuva. De Linhares, o repórter Kaio Linhares conta como está a situação e atualiza no número de mortos e desabrigados. Confira a entrevista no vídeo acima com a reportagem completa.

Fonte: Globo Rural

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *