Encafé : Meta da Abic é de crescimento de 15 % das exportações

Imprimir

As exportações brasileiras de café torrado e moído deverão fechar 2010 somando US$ 24 milhões. A estimativa parte da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC). De janeiro a outubro, as exportações brasileiras somaram US$ 18 milhões. A meta para 2011, segundo o diretor executivo da ABIC, Nathan Herszkowicz, é de exportações 15% superiores em receita.

Em 2009, os embarques brasileiros de café industrializado foram de US$ 29,5 milhões. Nos últimos 12 meses, de novembro de 2009 a outubro de 2010, as exportações de torrado e moído do Brasil foram de US$ 20,7 milhões. Christian Santiago, coordenador executivo do Projeto Setorial Integrado de Exportação de café torrado da ABIC com a APEX (Agência Brasileira de Promoção de Exportação), lembra que os embarques brasileiros cresceram significativamente de 2002, quando estavam em US$ 2 milhões, para agora. Mas admite que a concorrência mundial é grande e se "não nos adaptarmos será muito difícil" melhorar o desempenho. Ele falou durante o Encafé 2010 (Encontro Nacional das Indústrias de Café), que se realizou de 12 a 16 de novembro em Natal, Rio Grande do Norte.

De 2006 a 2010, através do projeto integrado da ABIC-APEX, de promoção às exportações, a APEX aplicou recursos de R$ 10,177 milhões, com a contrapartida do setor privado (indústrias) de R$ 9,638 milhões. Para 2011 e 2012 estão previstos R$ 2,5 milhões a cada ano, com a contrapartida de mesmo valor do setor privado.

NOVO PSI ABIC-APEX
A ABIC e APEX estão com um novo Projeto Setorial Integrado (PSI). Ele está sendo chamado de "Incubadora de Empresas Exportadoras". O novo PSI apresenta duas alternativas: o Projeto "Origens do Brasil" e o Plano Individual de Internacionalização.

O Origens do Brasil "trata-se de um esforço coletivo, visando a inclusão exportadora, coordenado pela ABIC, com apoio da APEX que organiza empresas que industrializam cafés com maior valor agregado das principais regiões produtoras do país. Os produtos são reunidos sob uma marca única ("Origens do Brasil") para que esforços como prospecção, contatos comerciais e de divulgação sejam realizados conjuntamente". A Apex aplicará recursos e a ABIC entrará na parte comercial procurando clientes e mercados. Haverá mercados-alvo, como Estados Unidos, Chile, França, Espanha e Canadá. As empresas participantes do projeto deverão estar prontas para entrega de produto quando solicitadas, e o projeto é considerado uma solução para pequenas empresas. A adesão final das empresas está prevista para junho de 2011.

O Plano Individual de Internacionalização "trata-se de um esforço de reflexão e formalização dos objetivos individuais das empresas quanto ao seu processo de internacionalização. A partir do plano individual de internacionalização, o projeto poderá disponibilizar recursos para ações previamente planejadas e acordadas para o mercado selecionado. Tais ações serão aprovadas pela APEX mediante cumprimento de metas".

O nome usado "incubadora" leva em conta que após um tempo determinado de ajuda as empresas deverão seguir seus negócios sozinhas.

Fonte: Safras & Mercado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *