Embrapa testa atmosfera do futuro em cafezal para prever obstáculos do próximo século

Imprimir

Um projeto da Embrapa Meio Ambiente simula as condições do meio ambiente no futuro para adiantar possíveis obstáculos no cultivo de café. A pesquisa é realizada em Jaguariúna, em São Paulo, e antecipa as quantidades de gás carbônico (CO2) na atmosfera em 2100. A coordenadora da ação, Raquel Ghini, explica que a idéia é verificar as características das plantas submetidas à nova realidade.

– Nós temos esta cultura de café plantada de forma convencional, como a agricultura faz na região, e anéis dentro dela, onde aplicamos o CO2, aumentando a concentração deste gás no ar. Isto simula a atmosfera futura, por volta de 2100, em um cenário mais otimista. Então nós vamos observar o que vai crescer, a fertilidade do solo, o desenvolvimento da planta, a produção e a ocorrência de pragas e doenças – diz.

Os pesquisadores estimam poder avaliar em um ano o comportamento de pragas, como a ferrugem do café e o bicho mineiro, quando submetidas a uma grande quantidade de gás carbônico, conforme Raquel.

– Elas podem aumentar ou diminuir, porque com este maior crescimento das plantas, nós podemos ter um ambiente mais úmido, que pode favorecer alguns fungos ou organismos que causem doenças. Porém, a planta crescendo mais, pode se tornar menos sensível ao ataque destes fungos e outra pragas – afirma.

O coordenador da Embrapa Meio Ambiente de Jaguariúna, Celso Manzatto, aponta que o Brasil tem levado ao pé da letra o objetivo de antecipar os fatos.

– Lógico que estamos falando de cenários distantes, 2030/2040, mas imaginando que tenhamos que desenvolver novas variedades de café, de soja, milho e que isto demora em média 10, 15 anos para desenvolver, temos que antecipar estas visões de futuro, para que o agricultor não sinta tanto o impacto das mudanças climáticas. Principalmente em um país agrícola como o nosso, com a importância na produção de alimentos. Temos que olhar pela sustentabilidade da nossa agropecuária – opina.

O pesquisador norte-americano Donald Ort coordena uma pesquisa semelhante nos Estados Unidos sobre os efeitos do CO2 na soja. Ele viajou a Jaguariúna para conhecer o experimento brasileiro, que é o primeiro deste tipo desenvolvido nos trópicos. Segundo ele, o estudo realizado no Brasil é fundamental.

O pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Gilvan Sampaio, revela que o órgão também realiza estudos prevendo cenários de um futuro distante, por meio da alta tecnologia.

– Consideramos todo o sistema terrestre, tudo que a gente pode olhar, nuvens, atmosfera, fenômenos, plantas, solo. Tudo isso nós temos representado dentro de um computador, além de suas interações, através de equações matemáticas, que calculam projeções até o final do século – explana.

Conforme Sampaio, a máquina custou R$ 33 milhões e é a maior do Hemisfério Sul. O supercomputador ainda colocou o Brasil entre as grandes potências mundiais que estudam estes fenômenos. Pela primeira vez, pesquisadores nacionais participarão do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).

– O IPCC produz um relatório a cada quatro ou cinco anos e já produziu quatro relatórios. Graças à aquisição desta máquina, vamos participar do próximo relatório. Já estamos fazendo simulações que servirão ao estudo que será divulgado em 2013, 2014 – antecipa.

A aquisição de um novo modelo da máquina já está em andamento, para ser efetivamente concretizada em quatro anos.

– A tecnologia evolui muito rapidamente e nós temos que estar sempre atrás do melhor, porque o melhor significa fazermos projeções mais apuradas, de longo prazo. O objetivo é um melhor planejamento de diversos setores da economia brasileira, além de tentar evitar mortes associadas a desastres naturais, perdas significativas na agricultura – pontua.

Fonte: Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *