Embrapa e OEPAS incrementam o desenvolvimento da cafeicultura no Brasil

Imprimir

O Brasil é o maior produtor e exportador de café mundo. A estimativa de produção da Conab para a safra 2012 indica que o País deverá colher 50,45 milhões de sacas de 60 quilos do produto beneficiado. No cenário da cafeicultura, as pesquisas do Consórcio Pesquisa Café, ao longo de seus 15 anos, contribuem significativamente para esse crescimento sustentável. O Consórcio reúne diversas instituições parceiras que atuam no desenvolvimento sustentável do agronegócio café, como as Organizações Estaduais de Pesquisa Agropecuária (Oepas), criadas com o objetivo de atender às demandas específicas de cada estado, apresentando produtos e soluções para os agricultores de cada região e desenvolvendo projetos ajustados à realidade local.

Entre as 18 Oepas do Brasil, seis integram o Consórcio: Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro-Rio), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta).

Contribuição científica  – As Oepas atuam em 26 projetos de pesquisa e 113 planos de ação na programação de pesquisa do Consórcio, em parcerias que geram conhecimentos, tecnologias e, destacadamente, contribuem com a transferência destas para o produtor. “As Oepas realizam pesquisas voltadas para a cafeicultura, seja na obtenção de novas cultivares resistentes a pragas e doenças, no estudo de solo e ambiente ou, até mesmo, no envolvimento com o agronegócio, apoiando na etapa da venda do produto”, explica o diretor-presidente do Incaper e presidente do Conselho Nacional dos Sistemas Estaduais de Pesquisa Agropecuária (Consepa), Evair Vieira de Melo. Essas Organizações realizam hoje mais de dois mil projetos de pesquisa e inovação tecnológica e mantêm mais de 11 mil funcionários, 230 laboratórios, 250 Estações e Fazendas Experimentais, tudo isso colocado à disposição da agricultura brasileira. “O foco das Oepas é a transferência de tecnologia e estamos conseguindo melhorar isto cada vez mais”, observa Evair.

Oepas na cafeicultura – Cinco das seis Oepas que integram o Consórcio atuam nos maiores estados produtores de café do País: Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Bahia e Paraná. Saiba mais sobre como cada uma contribui com a pesquisa cafeeira em seu estado.

Epamig – A cafeicultura é uma das linhas de pesquisa da Empresa, que representa o maior produtor de café do Brasil: Minas Gerais, com uma safra de 26,6 milhões em 2012. A Epamig atua em diversos programas de pesquisa do Consórcio, além de manter parcerias com outras instituições de apoio à pesquisa cafeeira. Destacam-se entre as pesquisas do Consórcio: melhoramento genético de Coffea arabica e Coffea canephora, manejo e tratos culturais, manejo integrado de pragas e doenças, colheitas e pós-colheita de café, socioeconomia, cafeicultura orgânica, Banco de Germoplasma de café, dentre outras. A Epamig também possui fazendas experimentais exclusivas para pesquisa e transferência de tecnologia do café.

Incaper – O Instituto tem mais de 25 anos de pesquisa com café conilon no Espírito Santo, por isso mesmo ocupando a posição de maior produtor de conilon do Brasil, com uma produção de 9,3 milhões de sacas em 2012. Contabilizando o café arábica, o Espírito Santo torna-se o segundo maior produtor de café do País, com safra estimada em 12,2 milhões este ano. Produtividade e qualidade são fatores que seguem juntos entre os objetivos das pesquisas do Incaper. Entre os projetos citam-se: a Poda Programada do Conilon, o Programa de Melhoramento Genético, incluindo o Banco de Germoplasma de café, o sombreamento de café conilon no Espírito Santo, entre diversas outras pesquisas.

Apta – A Agência localizada em São Paulo atua com projetos de pesquisa no estado que é o terceiro maior produtor cafeeiro do Brasil. A safra estimada é de 5 milhões de sacas beneficiadas. A Apta é instituição parceira do Consórcio Pesquisa Café, desenvolvendo planos de ação em parceria com outras instituições consorciadas. Atualmente participa de 75 projetos de pesquisa em andamento no estado.

EBDA – O Programa Café da EBDA desenvolve ações com os cafés da Bahia, trabalhando a qualidade e o potencial de exportação do produto. Nesse sentido a profissionalização dos produtores também é vista como meta das ações. O estado, quarto maior produtor de café do Brasil com 2,16 milhões de sacas em 2012, tem uma cafeicultura distribuída pelas regiões Oeste, Sul e no Planalto da Conquista. A EBDA é uma das fundadoras do Consórcio Pesquisa Café.

Iapar – O Paraná é o quinto maior produtor de café do Brasil, a previsão nesta safra é de 1,8 milhões de sacas. No estado, o Iapar, instituição fundadora do Consórcio, tem forte atuação na cafeicultura por meio das ações do Programa Café, direcionadas para: aumento da produtividade da cafeicultura, melhoria da qualidade do produto e da bebida, promoção da diversificação das atividades agrícolas nas propriedades, redução de custos de produção, insumos e energia; aumento da eficiência da mão-de-obra e infraestrutura disponível e preservação do meio ambiente. O Alerta Geada, que dispara mensagens de aviso de geada para cafeicultores, a obtenção da cultivar IPR 98, produtiva e resistente à ferrugem, o manejo da adubação verde e o adensamento das lavouras são exemplos de pesquisas desenvolvidas. O Programa Café tem quarenta projetos em andamento.

Pesagro-Rio – As pesquisas cafeeiras da Pesagro iniciaram em 1997, quando a Empresa fundou, com outras nove instituições, o Consórcio Pesquisa Café. A Pesagro atua na cafeicultura do Rio de Janeiro, nono maior produtor do País, com uma safra de 260 mil sacas prevista para este ano. Como a cafeicultura fluminense passou por acentuada redução da área de plantio nos últimos anos, os trabalhos de pesquisa se concentraram em tecnologias que, em curto prazo, pudessem elevar a produtividade. Entre as linhas de pesquisa estão: fertilidade do solo e nutrição de plantas, sistema adensado de plantio do café, que constitui a principal alternativa para a modernização da cafeicultura fluminense, e a irrigação por gotejamento em café conilon no Norte Fluminense tem obtido resultados positivos em produtividade.

Consepa – Criado em 1993, o Conselho Nacional dos Sistemas Estaduais de Pesquisa Agropecuária surgiu da necessidade das Oepas buscarem apoio do Governo Federal, em seus mais diversos órgãos, e da necessidade de valorização do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária (SNPA).  O Consepa é responsável pelo fortalecimento institucional dessas Organizações e, ao lado das pesquisas realizadas pela a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e pelas universidades, é considerado a retaguarda do desenvolvimento do agronegócio brasileiro. “Investir na pesquisa agropecuária é o melhor caminho para a erradicação da miséria no campo e fortalecimento da agricultura familiar. Aumentando assim a produção de alimentos e gerando cada vez mais qualidade de vida para os brasileiros”, diz o presidente, Evair Melo.

Fonte: Último Instante

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *