Em Portugal aumento do café chega ao bolso do consumidor final

Imprimir

Este valor será ainda mais significativo em estabelecimentos em que se praticam preços acima da média, entre os 50 e os 60 cêntimos por café.

A escalada dos valores, provocada sobretudo pela especulação no mercado, criada por grandes investidores, e pela diminuição da matéria-prima na Colômbia, não deixou alternativas às empresas de torrefacção, que no início do mês subiram o preço por quilo em cerca de um euro. A Nestlé e a Nutricafés (que detém, entre outras, as marcas Nicola e Chave D’Ouro) subiram o preço em 7,5 por cento. A Delta, 5%. Um saco de quilo ‘Platina’, suficiente para 140 cafés, custa agora 21,21 euros – sem IVA.

"Dado o aumento em 100 % do café arábica e em 40 % do robusta, estamos a fazer um grande esforço por manter estes valores. Dentro de três meses, vamos rever estes preços", referiu ao CM Rui Miguel Nabeiro, administrador da Delta.

João Dotti, director-geral da Nutricafés, e Victor Manuel Martins, director da divisão de cafés torrados da Nestlé Portugal, referem que a escalada do preço começou em Junho de 2010. Com as "margens comerciais esmagadas", a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal já anunciou a subida do preço da bica. Em Portugal, consomem-se 22 milhões de cafés por dia.

Fonte: Coffee Break

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *