Eleito o melhor de SP, café produzido em Caconde chega a R$ 50 o quilo

Imprimir

Dois cafés produzidos em Caconde (SP) foram eleitos os melhores do Estado de São Paulo em um concurso da Secretaria de Agricultura. São grãos especiais, que podem alcançar cerca de R$ 50 o quilo.

A produção da família Rosseto venceu todos os concursos de qualidade de café em que se inscreveram neste ano. No que mais sentem orgulho, conseguiram vender uma saca por R$ 2,3 mil, cerca de 474% acima  do valor de mercado, que é menos de R$ 400.

Mas o valor não é o mais importante e sim o reconhecimento. As duas sacas premiadas já foram torradas, embaladas e vendidas e terá um destino especial. “Foi vendido para o governador, que será servido no gabinete”, afirma o produtor Moacir Rosseto.

O resultado colhido vem do trabalho familiar. “Eu que coloquei todos para trabalhar”, afirma Elza Rosseto. A filha, Alessandra Rosseto, cuida do terreno. “Aqui mexe o café, amontoa, ensaca, guarda, e o trabalho de secagem é nosso”, diz.

Para os homens, sobra todo o trabalho braçal com todo o cuidado que o café especial exige. Além disso, contam com a ajuda da natureza e da altitude. Alguns pés de café ficam a 1,3 mil metros de altura. O cafeicultor José Rosseto, aos 71 anos, está todo dia na roça trabalhando com os filhos. “Já faz uns 65 anos que eu trabalho na lavoura”, afirma.

Mas há três anos a família mudou a forma de ver o produto principal do Sítio São José. “Antes a gente só se preocupava em colher o café, hoje o objetivo é fazer um bom café”, explica Moacir.

Os pequenos grãos, ainda verdes, serão colhidos apenas em maio ou junho de 2013, mas não será negociado por um preço comum.

A família sonha em aumentar a produção e exportar ainda mais, como o vizinho, o agricultor João Hamilton. O café dele foi escolhido o segundo melhor do estado, pela segunda vez consecutiva.

O sítio dele já foi visitado por estrangeiros em busca de qualidade pelo mundo, mas a situação se inverteu e Hamilton foi dar uma volta pela Europa, para ver como o produto dele chega até o consumidor final e se surpreendeu. “Em uma das cafeterias a gente pediu o café João Hamilton, o barista serviu, contou a história de como foi feito, colhido, e quando eu me apresentei ele não acreditou”, relembra.

Fonte: G1 São Carlos e Araraquara

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *