Crise da cafeicultura deve persistir por mais 2 ou 3 anos até que oferta e demanda voltem a se equilibrar

Imprimir

Os atuais preços do café não remuneram o esforço de produção por parte dos cafeicultores e, para o CECAFÉ (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil), a crise do setor ainda deve se estender por um prazo de 2 a 3 anos. No entanto, isso não quer dizer que os preços continuem tão baixos, pelo contrário, estima-se uma recuperação, mas, mesmo assim, será preciso esse período de 2 a 3 anos para que os preços do café voltem a um patamar satisfatório.

Nos últimos anos houve um longo período de preços remuneradores e, nesse período, a produção se ampliou, o que levou a uma situação de um volume de oferta ligeiramente superior a demanda. Com isso, de acordo com Guilherme Braga, Diretor Geral do CECAFÉ, no último ano e meio houve uma acumulação de estoque nos países produtores que cobrem cerca de 4 meses de consumo, o que provocou uma sensação de suprimento no mercado e os preços refletem essa situação.

Porém, a partir desses preços baixos começam a haver ajustes na produção, uma vez que o produtor está investindo menos porque a sua renda diminuiu e isso faz com que o volume total de produção seja reduzido. Assim, no período de 2 a 3 anos esse processo deve se materializar e o café pode voltar a uma situação mais equilibrada entre oferta e consumo.

Segundo dados da Organização Internacional do Café (ICO, sigla em inglês), a estimativa para 2013 é que o consumo mundial do grão atinja 145 milhões de sacas, enquanto a produção deve ficar entre 148 e 149 milhões de sacas. Braga afirma que esse excedente não é tão grande, mas dá uma sensação ao mercado de capacidade para suprir a demanda com certa folga. Contudo, o fato positivo é que o consumo mundial deve crescer cerca de 2% ao ano, o que equivale a 3 milhões de sacas a mais.

Por outro lado, mesmo com os preços baixos, este ano o Brasil deve arrecadar 5,5 bilhões de dólares em exportações de café, o que é uma riqueza importante para o Brasil que, de acordo com Braga, deve fazer um esforço no sentido de preservar essa atividade produtiva que tem contribuído para a prosperidade do país. No entanto, essa receita apresenta uma redução em relação ao anterior de 900 milhões de dólares devido à queda de preço nesse período, mas acredita-se que os patamares mais baixos de preços já tenham passado e que o mercado tende a se recuperar ao longo dos próximos 3 anos.

Fonte: Notícias Agrícolas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *