Cooxupé recebe volume recorde de café

Imprimir
A Cooxupé – Cooperativa Regional dos Cafeicultores em Guaxupé (MG) está recebendo um volume recorde de café nesta safra 2018/19. A meta da maior cooperativa de café do país era receber 5,75 milhões de sacas, mas o volume deverá alcançar 6,4 milhões, segundo o superintendente comercial Lúcio Dias de Araújo. Até agora, a Cooxupé recebeu 6,3 milhões de sacas de café arábica.

A produção maior na atual temporada, o aumento do número de cooperados nos últimos anos e a falta de liquidez de outros players do segmento explicam o resultado, disse Araújo num intervalo do Encafé – Encontro Nacional das Indústrias de Café, que acontece em Punta del Este, no Uruguai, desde domingo.

Na safra 2017/18, que teve bienalidade negativa e foi afetada por problemas climáticos, as entregas à cooperativa somaram 4,6 milhões de sacas de café. O recorde anterior de recebimento havia sido em 2015/16, quando a Cooxupé recebeu 6,280 milhões de sacas.

Entre as 6,4 milhões de sacas esperadas, 5 milhões são de cooperados e o restante de terceiros, de acordo com Araújo. Em entrevista ao Valor no fim de setembro, o presidente da Cooxupé, Carlos Alberto Paulino da Costa, havia admitido que a meta de recebimento poderia ser superada.

Embora não seja um “fator preponderante” em relação aos recebimentos de café pela cooperativa, o comportamento do dólar levou a Cooxupé a bater outro recorde – o de comercialização da commodity em apenas um dia. Em 15 de outubro, após o primeiro turno das eleições presidenciais, quando o dólar bateu em R$ 3,73, a comercialização de café pela cooperativa somou 275 mil sacas. Ou seja, em apenas um dia produtores buscaram a Cooxupé para negociar esse volume. “Houve negócios a R$ 500 por saca para entrega em 2019, a R$ 535 para entrega em 2020 e a R$ 575 para 2021”, disse Araújo.

Enquanto o recebimento deve bater recorde, a exportação de café pela Cooxupé não deve atingir a meta de 4 milhões a 4,2 milhões de sacas neste ano, segundo o executivo. Ele explicou que o baixo volume de café no mercado no início do ano e o atraso nos embarques por causa de problemas na contratação de frete internacional pelos clientes da cooperativa devem impedir que o objetivo seja alcançado. Assim, as vendas externas devem ficar entre 3,8 milhões e 3,9 milhões de sacas. No ano passado, os embarques da maior exportadora de café do país alcançaram o total de 4,1 milhões de sacas.

Araújo hesita em fazer prognósticos para a próxima safra, a 2019/20, pois não há informações consolidadas sobre a florada, ainda em curso em algumas regiões produtoras. De uma maneira preliminar, avaliou que a produção de arábica no país deve ficar entre 35 milhões e 37 milhões de sacas, ou seja, 20% inferior à de 2018/19, quando alcançou 45 milhões de sacas. Além de a próxima safra ser de bienalidade negativa, a florada “não teve um bom pegamento” em algumas regiões, justificou.

Fonte: Valor Econômico (Por Alda do Amaral Rocha – a jornalista viajou a convite da Associação Brasileira da Indústria do Café – Abic e foto de Fabrício Fiacadori)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *