Cooxupé atinge recebimento de 5 milhões de sacas

Imprimir

O presidente da Cooxupé, Carlos Paulino, disse que um dos fatores de sucesso da cooperativa é uma política rigorosa de crédito.

A maior cooperativa de café do mundo, a Cooxupé, completou hoje, terça-feira (11), a captação de cinco milhões de sacas. A cooperativa vai ter muito que comemorar este ano, pois esta é apenas mais uma marca entre as muitas que deve bater em 2010. Segundo o jornal Brasil Econômico, o faturamento também deve crescer cerca de 15%. Ainda de acordo com a matéria, a Cooxupé fechou 2009 com um faturamento de R$ 1,56 bilhão e, neste ano, deve contabilizar R$ 1,8 bilhão. A receita vem do café verde em 75%, a venda de insumos é responsável por 25% desse montante e outras atividades fica com 5%.

Ainda comparando-se com o ano passado, a Cooxupé comercializou 4,2 milhões de sacas e agora deve vender 4,5 milhões de sacas. A diferença não é grande, mas esse fator se deu porque no ano passado os produtores guardaram um pouco do café para vendê-lo em época de melhores preços, como o que está acontecendo e o mesmo deve se repetir nesse ano, considerando-se que no ano que vem a safra será menor, devido à bianualidade da produção.

Rigor

Apesar da crise que o setor vem atravessando, a Cooxupé vem obtendo resultados positivos ao longo de sua história. E o presidente da cooperativa, Carlos Paulino, explica porque, de acordo com o Jornal Brasil Econômico, em matéria do dia 30 de setembro: "Quem quebra as cooperativas são os cooperados, quando não pagam suas dívidas com elas. Mas nós temos uma política rigorosa de crédito", disse o presidente.

Infraestrutura

A Cooxupé foi fundada há 75 anos, como uma cooperativa de crédito agrícola e em 1957 transformou-se em uma cooperativa para cafeicultores. Atualmente, para armazenagem, processamento e comercialização de tanto café, a Cooxupé deve concluir até março de 2011 um novo complexo, em Guaxupé, cidade sede da cooperativa. O empreendimento terá capacidade para armazenar 1,1 milhão de sacas e processar 10 mil sacas por dia, dobrando o volume diário atual. "Já investimos R$ 31 milhões e faltam R$ 20 milhões até a conclusão da obra", diz Paulino, sendo que os R$ 50 milhões foram obtidos através do Banco Nacional de Desenvolvimento Social. (BNDES).

A cooperativa conta com aproximadamente 12 mil cooperados e mais de dois mil colaboradores, recebendo café produzido em mas de 200 municípios, localizados nas regiões Sul de Minas, Alto Paranaíba (Cerrado Mineiro) e Vale do Rio Pardo, no estado de São Paulo.

Para atender tantos cooperados que atuam nessa grande região de produção, conta com dez núcleos em diferentes cidades, seis filiais e seis unidades avançadas, que oferecem serviços de armazenagem, atendimento técnico, comercialização, entre outros, como as lojas para fornecimento de insumos.

Redação: Coffee Break/
Fontes: Site Cooxupé / Jornal Brasil Econômico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *