Cooperativas mineiras marcam presença na Semana Internacional do Café, em Belo Horizonte

Imprimir
Minas Gerais é um Estado cafeeiro por excelência e maior produtor do Brasil. E o cooperativismo é parte importante desse resultado, pois 46% da produção de café mineiro passa por cooperativas. Durante a Semana Internacional do Café, realizada no Expominas, em Belo Horizonte, de 07 a 09 de novembro, esse contingente estará representado por 17 cooperativas das duas principais regiões produtoras: o Sul de Minas e a Região do Cerrado Mineiro.

O Sul se fará presente através da Cocatrel – Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Três Pontas, que reúne cinco mil produtores rurais em cerca de 90 municípios, e produz cerca de 998 mil sacas de café; da Coopfam – Cooperativa dos Produtores dos Agricultores Familiares de Poço Fundo e Região, que conta com cerca de 250 famílias cooperadas, de 20 municípios, e produz por ano, 41.160 sacas de café; e da Cooperativa Central de Cafeicultores e Agropecuaristas de MG (Coccamig), que reúne 16 cooperativas agropecuárias – Capebe, Carpec, Coapeja, Cocarive, Cocatrel, Codepar, Coocafé, Coomap, Coopama, Cooperbom, Coopercam, Cooperrita, Coopervass, Corples, Minasul e Coopapi -, com mais de 35 mil produtores, responsáveis pela comercialização de 4,3 milhões de sacas de café ao ano.

Já o Cerrado terá a participação da cooperativa Coocacer Araguari – Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado de Araguari, composta por 175 cooperados, que produzem cerca de 179.254 sacas de café ao ano.

Ranking

As cooperativas cafeeiras levam os valores do segmento para a linha de frente do mercado. São organizações nascidas da união de produtores para se fazer um todo mais forte, à altura da excelência requerida no exigente mercado do café. Seis cooperativas mineiras foram listadas no ranking “Melhores e Maiores: as 1000 maiores empresas do Brasil” da Revista Exame do setor agropecuário – Cooxupé, Expocaccer, Cooprata, Minasul, Cocatrel e Capebe, estas três últimas integrantes da Coccamig. Além disso, a Cooxupé (3º) e a Minasul (10º) figuram entre as 10 maiores empresas brasileiras do setor Cafeeiro.

As cooperativas oferecem ao pequeno produtor a oportunidade de concorrer com o grande, através de uma gama de serviços como venda de insumos, armazenamento, beneficiamento, comercialização e até mesmo torrefação. Fazer negócio com uma cooperativa é ter acesso ao melhor café e ao mesmo tempo acessar uma cadeia produtiva mais justa com quem produz.

O Sistema Ocemg, como entidade de representação, capacitação, monitoramento e promoção social do setor, é patrocinador da Semana Internacional do Café. A organização atua para a profissionalização da gestão e do desenvolvimento das cooperativas de café, através de diversos projetos e ações. Em 2018, o Sistema Ocemg promoveu o Encontro Nacional da Cooperativas Agropecuárias, o Seminário de Gestão das Cooperativas Agropecuárias Mineiras, o GDA – Programa de Desenvolvimento Econômico-Financeiro e o PDGC – Programa de Desenvolvimento de Gestão do Cooperativas.

O presidente da entidade, Ronaldo Scucato, ressaltou a importância do cooperativismo mineiro, em especial do segmento de café. “Quase metade da produção de café do Estado passa por cooperativas, que têm relevante participação no PIB mineiro. Temos muito orgulho do trabalho realizado pelas cooperativas em prol do desenvolvimento de Minas e do país”, observa.

Números das cooperativas de café

Minas Gerais possui 54 cooperativas envolvidas com a cultura do café, que reúnem 81.397 associados (51% dos associados totais do Ramo Agropecuário) e 7.162 empregados (46% dos empregados totais do setor). Juntas, elas produziram 11,2 milhões de sacas em 2017, conforme dados do Anuário de Informações Econômicas e Sociais do Cooperativismo Mineiro, publicado pelo Sistema Ocemg.

A arrecadação com a venda do produto foi de R$ 6,04 bilhões (ou 33,8% da receita das 198 cooperativas agropecuárias do Estado). As cooperativas mineiras de café movimentaram em 2017 um patrimônio líquido de R$ 1,7 bilhões. Neste mesmo período, o capital social, valor investido na cooperativa pelos associados, foi de R$ 477 milhões. No que diz respeito às sobras, em 2017, o montante obtido foi de R$ 68 milhões.

As principais cooperativas exportadoras de café são: Cooxupé, Cocarive, Cocatrel, Minasul, Cocapil, Coopfam, Carpec, Expocaccer e Coocafé. Em 2017, as cooperativas de Minas exportaram em torno 4,5 milhões de sacas (75 milhões de toneladas), o equivalente a 22% da exportação mineira do produto.

Fonte: Assessoria de Imprensa ETC Comunicação via Easy Coop

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *