Consumo moderado de café está associado a menor risco de diabetes tipo 2, diz estudo

Imprimir
Um relatório do Instituto de Informação Científica sobre o Café (ISIC) intitulado ‘Café e diabetes tipo 2: Uma revisão das pesquisas mais recentes’ destaca o papel potencial do consumo de café sobre o risco reduzido de desenvolver diabetes tipo 2 e os mecanismos potenciais envolvidos.

Diabetes Mellitus Tipo 2 é uma doença crônica que altera a forma como o organismo controla a glicose (açúcar) no sangue, que é a sua principal fonte de energia. Caracterizada por uma deficiência na ação e secreção da insulina, isto acontece porque a pessoas com diabetes tipo 2 podem ter resistência à insulina.

Os pesquisadores revisaram mais de 30 estudos sobre a associação do consumo de café e o diabetes tipo 2 com mais de um milhão de participantes quando somados.

O professor Kjeld Hermansen explorou as potenciais perspectivas por trás da associação inversa entre o consumo de café e o diabetes tipo 2, apresentando um resumo das pesquisas que foram realizadas nessa área.

A pesquisa sugere que vários fatores podem estar envolvidos, incluindo um efeito antioxidante, um efeito antiinflamatório, efeitos termogênicos ou a modulação da diversidade do microbioma. A apresentação do professor Hermansen também se baseou em sua própria pesquisa sobre compostos de café, como o ácido caféico e cafestol.

As principais conclusões da pesquisa destacadas no relatório incluem:

  • Meta-análises sugerem que beber de 3 a 4 xícaras de café por dia está associado a um risco 25% menor de desenvolver diabetes tipo 2
  • A associação inversa entre o consumo de café e diabetes tipo 2 foi demonstrada em homens e mulheres
  • Meta-análises sugerem que tanto o café cafeinado quanto o descafeinado estão associados a um risco reduzido de diabetes tipo 2
  • Um número de compostos clinicamente relevantes estão presentes no café, incluindo: cafeína, ácidos hidroxicinâmicos, trigonelina, diterpenos, por exemplo, cafestol e kahweol, e ácido cafeico.

A meta-análise é uma técnica estatística que integra os resultados de dois ou mais estudos independentes, sobre uma mesma questão de pesquisa, combinando, em uma medida resumo, os resultados de tais estudos.

Fonte: G1 – Bem Estar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *