Consumo de café pode estar vinculado a gene, diz estudo

Imprimir
Um gene poderia estar relacionado com a quantidade de café que é consumida, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira na revista britânica “Scientific Reports”.

A pesquisa, realizada pela Universidade de Edimburgo, sustenta que existe uma correlação inversa entre o gene PDSS2 e a quantidade de café que é consumida.

O estudo sugere que o citado gene inibe o funcionamento de outros que estão envolvidos no funcionamento o metabolismo da cafeína no corpo.

Segundo o autor deste trabalho, Nicola Pirastu, a cafeína pode permanecer mais tempo no organismo porque o gene PDSS2 a protege dos genes que se encarregam de se desfazer dela.

O estudo se centrou no genoma de italianos e holandeses, que depois dos testes genéticos foram questionados sobre a quantidade de café que consumiam diariamente.

Concretamente, se trabalhou com 370 indivíduos de um pequeno povoado no sul da Itália e com 843 pessoas de seis aldeias no nordeste do mesmo país. Posteriormente, foi reproduzido o estudo com 1.731 participantes dos Países Baixos.

A indagação também levou em conta como o café era consumido em cada país, pois na Itália preferem beber expresso, enquanto nos Países Baixos preferem os de filtro.

Os especialistas reconhecem que são necessários mais estudos e com um maior número de participantes para confirmar o que foi encontrado e esclarecer o mecanismo biológico que une o gene PDSS2 com o consumo de café.

Fonte: Agência EFE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *