Confira a entrevista do Presidente do CCCMG ao Jornal Gazeta Rural

Imprimir

O Presidente do Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais, Archimedes Coli Neto, foi entrevistado pelo Jornal Gazeta Rural. O meio é suplemento quinzenal do Jornal Gazeta de Varginha. Na entrevista, Archimedes fala sobre as novas regras de qualidade do café impostas pelo governo federal, seus benefícios, e o que o produtor e consumidor acabam ganhando com essa nova medida. Confira:

GR: O que muda com as novas regras para a qualidade do café?
ACN: Com as novas regras, os cafés não poderão ter acima de 1% de impurezas. O produto também será degustado e haverá exigência maior na qualidade dos grãos.

GR: Quais são os benefícios com a nova norma?
ACN: Os benefícios são enormes. Com cafés de melhor qualidade, cria-se a expectativa do aumento do consumo, aquecendo a comercialização do produto.

GR: Pode haver benefícios também para o setor produtor de café?
ACN: Havendo qualidade certamente haverá aumento do consumo e, quanto maior a demanda, melhores preços poderão ser obtidos para o produto.

GR: O que o consumidor pode esperar com esta nova medida?
ACN: O consumidor poderá esperar um café de melhor qualidade, se o governo realmente controlar as medidas implantadas.

GR: O setor atingido vai enfrentar dificuldades? Quais e por quê?
ACN: Acredito que aquelas indústrias que não se enquadrarem serão punidas e certamente perderão mercado.

GR: Esse é um dos passos para elevar a valorização do café brasileiro no mercado mundial, principalmente no internacional?
ACN: Certamente é uma boa medida para elevar e valorizar o café brasileiro no mercado interno.

GR: Em sua opinião, por que esta alteração só foi sancionada este ano?
ACN: A ABIC (Associação Brasileira da Indústria de Café) já vem há tempos controlando a qualidade dos cafés, mas de uma maneira espontânea, com o selo de qualidade. Agora, porém, o governo toma a frente e irá fazer o que o antigo IBC (Instituto Brasileiro do Café) fazia: controlar a qualidade e multar.

GR: Para você, o ministro da Agricultura Wagner Rossi está preocupado com o setor cafeeiro?       
ACN: Acho que não é o ministro e sim o setor que solicitou uma tomada de posição do governo para reprimir as indústrias que não fazem um produto de qualidade, consequentemente prejudicando aquelas que fazem o melhor.

Fonte: Gazeta Rural (suplemento quinzenal do Jornal Gazeta de Varginha)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *