Com incentivos do Estado do Paraná, Café Iguaçu supera crise e mantém empregos

Imprimir

A Companhia de Café Iguaçu, uma das maiores empregadoras do Norte Pioneiro, recebeu apoio do governo estadual para retomar os investimentos na planta em Cornélio Procópio e superar as dificuldades financeiras do setor agravadas pela alta do dólar e pelo aumento do custo com matéria-prima.

No fim de 2010, a indústria investiu 50 milhões de reais para aumentar a produção anual de café solúvel de 18 mil toneladas para 19 mil toneladas e meia.

Segundo o coordenador de produção, engenheiro Eduardo Moralis, com os incentivos, os equipamentos foram renovados para garantir eficiência energética e uma torre de secagem foi construída para otimizar a produção de 800 para 1000 quilos por hora.

O investimento da empresa foi enquadrado no Paraná Competitivo, programa criado em 2011 para atrair novas empresas ao Paraná. A indústria teve postergado o prazo para recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, ICMS, sobre a energia elétrica.

Como contrapartida, investiu em qualificação profissional e manteve os empregos gerados no município. Com o apoio do governo estadual, a empresa já começa a colher os bons resultados. No último ano, a Café Iguaçu reverteu a queda e registrou um crescimento de 6% na rentabilidade.

A empresa implantou recentemente um programa chamado Banco de Ideias e flexibilizou o horário dos turnos para que os funcionários possam frequentar a universidade e fazer cursos profissionalizantes. Douglas Manoel da Luz, de 21 anos, operador de produção da Café Iguaçu, afirmou que os investimentos realizados pela empresa ajudaram a manter o emprego de jovens como ele, que inclusive já começa a enxergar novos horizontes profissionais na empresa.

A empresa tem aproximadamente mil e 200 empregados e processa mais de 3 mil sacas de café por dia. Atualmente, 78% dos produtos da Café Iguaçu são exportados para a Europa. A empresa está hoje entre as 100 maiores exportadoras do Brasil, com participação de 12,2% do total das exportações de café solúvel.

Segunda maior indústria de café solúvel instalada no país, é uma empresa paranaense criada em 1967 por três cafeicultores de Cornélio Procópio. Hoje, é uma sociedade anônima controlada pela japonesa Marubeni. O auxiliar de produção Rafael Saraiva, 19 anos, também morador de Cornélio Procópio, começou a trabalhar na Café Iguaçu há apenas quatro meses. Ele está contente com a nova oportunidade de emprego e feliz por conseguir trabalhar perto da família, e com perspectivas de continuar estudando.

O Paraná Competitivo já assegurou 25 bilhões de reais em novos investimentos e a geração de 150 mil novos empregos para o Paraná. O programa foi criado pelo governador Beto Richa em 2011 como estratégia de atração de investimentos para reinserir o Estado na agenda dos investidores nacionais e internacionais.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná (Repórter: Amanda Laynes)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *