Com apoio do INCT Café, Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Vegetal da UFLA tem sua primeira tese de doutorado defendida

Imprimir

Professor Antonio Chalfun Junior, pró-reitor Alcides Moino Júnior, professor Luciano Paiva e professor Mário Lúcio Vilela de Resende na mesa de honra, além do professor Vagner Benedito (acima no vídeo via internet)

O Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Vegetal da Universidade Federal de Lavras (UFLA), curso que conta com apoio do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Café (INCT Café), teve sua primeira tese de doutorado defendida nesta segunda-feira (22), no anfiteatro do Setor de Fisiologia Vegetal.

De autoria do discente Horllys Gomes Barreto, a tese teve o tema “Análises dos Componentes Genéticos Envolvidos com a Indução e Desenvolvimento de Embriões Somáticos em Medicago truncatula”, uma planta modelo. A orientação ficou a cargo do professor Antonio Chalfun Júnior da UFLA, enquanto o Prof. Vagner Benedito, da Universidade de West Virginia nos Estados Unidos, foi o coorientador.

O coordenador do INCT Café e coordenador adjunto do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Vegetal (PPGBV), Mário Lúcio Vilela de Resende, ressaltou o apoio que o instituto dá ao programa desde o seu início, onde foram disponibilizadas bolsas de estudo no exterior para os alunos. Atualmente, cinco discentes do PPGBV estão estudando fora do país.

“Os alunos que vão e os pesquisadores que vem para o Brasil fazem parte dessa estratégia de intercâmbio e internacionalização. Esse conhecimento biotecnológico tem crescido e é muito importante para a cafeicultura nacional. Essa área está sendo incentivada no INCT Café, visto que é um dos focos principais do instituto”, explicou.

O pró-reitor de Pós-Graduação da UFLA, Alcides Moino Júnior, enfatizou que grande parte do reconhecimento da universidade como uma instituição de pesquisa e de inovação tecnológica é oriundo dos trabalhos dos pós-graduandos. “O fato de um programa de pós-graduação, como esse de Biotecnologia Vegetal, estar hoje em sua primeira defesa de tese de doutorado mostra por si só a consolidação desse programa”, disse o pró-reitor.

O doutorando Horllys enfatizou ainda que os conhecimentos adquiridos em sua tese podem ser usados na cafeicultura. “Uma vez identificados os genes similares no cafeeiro, estes poderão certamente ser utilizados para o melhoramento da competência de embriogênese somática do cafeeiro”, disse Horllys.

O Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Vegetal foi criado em 2005 em nível de mestrado, sendo que a primeira turma ingressou em março de 2006. Em 2010, foi enviada a proposta para a criação do doutorado, aprovada na CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). O programa conta atualmente com 17 alunos de mestrado e 19 de doutorado.

Fonte: Polo de Excelência do Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *