Colheita em Minas será antecipada

Imprimir

As chuvas constantes registradas em janeiro estão favorecendo a recuperação dos cafezais em Minas Gerais, que nos últimos dois anos foram severamente prejudicados pela estiagem atípica. O período chuvoso, aliado às temperaturas altas, também contribui para a uniformização e amadurecimento dos grãos, o que poderá antecipar em cerca de um mês a colheita no Estado. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a safra mineira, em 2016, pode alcançar 26,8 milhões sacas de 60 quilos de café, alta de 21,4%.
 
A antecipação da colheita para meados de abril, segundo o meteorologista e pesquisador em Agrometeorologia e Climatologia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Unidade Café (Embrapa Café) e pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Williams Pinto Marques Ferreira, deve-se ao aumento das chuvas e a previsão de manutenção das temperaturas mais altas também em fevereiro, o que contribui para a maturação antecipada.
 
Após dois anos de seca, as chuvas atuais vêm sendo consideradas suficientes para o maior armazenamento de água no solo e para a melhor absorção por parte das plantas, permitindo a revitalização do cafezal.


 
Peneira – A recuperação também ocorre no tamanho dos grãos, isso porque as chuvas irregulares registradas em setembro e outubro fizeram com que os cafezais produzissem várias floradas, gerando frutos de tamanhos diferenciados. As chuvas atuais fazem com que as plantas igualem o tamanho dos chumbinhos, garantindo melhor peneira.
 
“A abundância de chuvas neste período é favorável ao café, já que a planta terá condições de igualar os tamanhos dos grãos, que estão diferentes devidos às floradas, e também de igualar a maturação. Com a umidade alta e a temperatura elevada, a tendência é de adiantamento do período da colheita do café. Além disso, a previsão inicial, é que em abril, quando os trabalhos devem ganhar maior ritmo, o clima esteja mais seco, o que vai favorecer a colheita do grão”.

Fonte: Diário do Comércio (Michelle Valverde)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *