Colheita de café do Brasil se aproxima da metade e tem “muito boa” qualidade, diz CNC

Imprimir
A colheita do café no Brasil se aproxima da metade do previsto na safra 2020 e tem “qualidade muito boa”, afirmou nesta sexta-feira o Conselho Nacional do Café (CNC), com base em relatos de cooperativas associadas e órgão de pesquisa.

Segundo nota do CNC, “não se observa (na safra 2020) incidência de broca”, uma praga que normalmente preocupa os cafeicultores.

Os comentários sobre a qualidade confirmam avaliações anteriores de produtores e são uma boa notícia para o setor, após as características de parte dos grãos colhidos em 2019 terem deixado a desejar, devido ao clima irregular.

Para o presidente do CNC, Silas Brasileiro, esse cenário em 2020 resulta dos cuidados empregados pelos produtores no processo de colheita.

“Temos a cafeicultura mais sustentável do mundo e isso é reflexo do profissionalismo e do zelo dos cafeicultores nos processos da pré até a pós-colheita”, afirmou ele.

Este ano, com o advento da pandemia, o setor elaborou um programa de prevenção aos produtores, “que seguiram as recomendações e otimizaram ainda mais os trabalhos de ‘panha’, o que também evitará a incidência de broca para a próxima safra”, comentou Brasileiro.

O presidente do CNC reforçou que é necessário que os cafeicultores mantenham os cuidados no campo para que o cenário permaneça positivo em relação à sanidade dos cafés do Brasil.

“Com a evolução da colheita, é fundamental a atenção com os frutos de ‘rastelação’ e a realização da ‘varrição’, de maneira que não deixemos portas abertas à broca, não tendo que elevar os custos para sanar a praga em 2021”, disse.

Ele avaliou que os números oficiais do governo brasileiro são os “mais confiáveis” em termos de volume de colheita para 2020.

Para a safra 2020 de café, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta um volume entre 57,2 milhões e 62 milhões de sacas de 60 kg, citou o CNC.

Consultorias privadas e até o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) projetam volumes bem acima dos estimados pela Conab.

Uma safra recorde do Brasil, maior produtor e exportador mundial, pressiona o mercado global em ano de incertezas sobre o consumo, disse na véspera o analista de café da StoneX, Fernando Maximiliano.

A safra brasileira foi estimada na quinta-feira pela StoneX em um recorde de cerca de 65 milhões de sacas de 60 kg.

Fonte: Reuters (Por Roberto Samora)