Cocatrel tem trabalhado para melhorar a rentabilidade dos cooperados

Imprimir
A atual situação da cafeicultura tem deixado produtores, empresas, cooperativas e entidades ligadas ao setor bastante preocupados em relação ao mercado e aos preços do café que, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, na safra 2018/2019, ficaram numa média de R$422,62 a saca comercializada, com queda de quase 15% se comparada à safra anterior. A situação não ficou pior porque o dólar manteve-se em alta, o que elevou o preço da saca. Em contrapartida, dólar alto significa insumos mais caros, o que eleva o custo de produção.

Dentro desse cenário, a Cocatrel tem atuado interna e externamente para tentar melhorar a rentabilidade de seus cooperados. Internamente, foi elaborado um projeto de redução e gestão dos custos fixos administrativos, para que dessa forma a cooperativa possa gastar menos e manter ou ainda melhorar a eficiência dos serviços prestados aos produtores.

Segundo o gerente administrativo-financeiro da Cocatrel, Fabricio Maritan, como mostrado no gráfico abaixo, houve diminuição relevante dos custos em vários setores, como a redução das taxas de administradoras de cartões de crédito e, também, no monitoramento e novas negociações com os diversos contratos vigentes. Além disso, houve uma forte negociação junto aos bancos na captação de funding, nas suas diversas modalidades como Funcafé, industrialização e câmbio. Com o Programa de Demissão Voluntária dos Aposentados e o contrato assinado com a Rede Cidadã, em 2019, houve uma redução significativa do custo com pessoal, principalmente na contratação dos jovens aprendizes. A implementação do Centro de Distribuição na loja matriz vai adequar os estoques das filiais, reduzindo custos com logística e estocagem e melhorando o atendimento ao cooperado. Na perspectiva operacional, na unidade de laticínios houve uma redução de 15,78% de energia, feita com pequenas ações como a troca do telhado convencional por telhas transparentes.

A Cocatrel também passou a receber café em todas as cidades onde atua. Isso traz muita segurança, além de diminuir os custos do produtor com frete, uma vez que sua propriedade está sempre próxima de um armazém. Com o tempo para descarregar o café diminuído a uma média de 30 minutos, também houve redução do preço do frete, porque, principalmente se for terceirizado, as empresas cobram pelo tempo de espera nos armazéns.

Na comercialização, agregou-se valor ao café com a indústria de rebeneficiamento, o que aumentou o leque de possibilidades na hora de vender o café. Agora a Cocatrel consegue atender a demanda do mercado, ter mais liquidez e ainda melhorar o preço dos cafés pago aos cooperados. Além disso, a modalidade de venda imediata garante ao produtor a comercialização de seu café com o preço de mercado do dia anterior e o recebimento do dinheiro em apenas um dia. Resumindo, a Cocatrel tem trabalhado proativamente na busca dos melhores clientes e com a meta de atingir 100% de liquidez na venda dos cafés.

A exportação tem sido outro ponto importante para trazer rentabilidade ao produtor. O volume de cafés exportados cresceu bastante. Por opção, a Cocatrel tem procurado exportar apenas quando a oferta é realmente interessante, e o valor extra que se obtém com essas vendas também é transferido para o cooperado. Além disso, no Cocatrel Direct Trade (CDT), os cafés especiais têm sido bem trabalhados e estão sendo vendidos com valor agregado.

Ainda internamente é importante falarmos sobre as feiras. São quatro momentos anuais de feira em que a Cocatrel consegue comprar volumes altos de insumos e vendê-los com o menor valor possível para os cooperados. Vale lembrar que, nessas ocasiões, o produtor pode utilizar o café como moeda de troca, através da modalidade de venda futura barter (troca). Nessa modalidade, ele compra agora e só paga em agosto do ano posterior.

Além de tudo isso, existe uma plataforma completa de negócios e serviços oferecida pela Cocatrel, que abrange as lojas, laboratório de análises, oficina para pequenas máquinas, torrefação, dentre outros, dos quais os cooperados podem utilizar pagando menos do que em outros locais que prestam os mesmos serviços. Dessa maneira, além reduzir custos, ainda mostra a fidelidade do cooperado com a cooperativa.

Externamente, a Cocatrel tem atuado fortemente junto à Frente Parlamentar do Café e também no Conselho Nacional do Café (CNC), na busca de melhores condições para a cafeicultura através de políticas públicas sustentáveis e de valorização da agricultura. Recentemente, 19 cooperativas se reuniram e redigiram um manifesto afirmando que o País não colherá volume recorde no ano que vem, dentre elas está a Cocatrel.

Veja o manifesto clicando aqui.

Fonte: Cocatrel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *