Classificação e degustação serão temas de curso em simpósio

Imprimir

No VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil, um dos mini-cursos oferecidos abordará a classificação e degustação de diversos tipos de café. O professor Flavio Meira Borém ensinará os principais defeitos físicos do grão, explicará a origem dessas deformações e que cuidados tomar para evitá-los. “Além disso, será realizada uma degustação comentada, oferecendo aos participantes bebidas de café com diferentes qualidades, buscando enfatizar as variedades entre os grãos comerciais, defeituosos e especiais”, informa Flávio.

De acordo com Flávio, a Classificação Oficial Brasileira (COB) é realizada de acordo com a Instrução Normativa nº 8, que define as características de identidade e de qualidade para classificar o Café Beneficiado Grão Cru. Conforme a COB, o café pode ser classificado por categoria, segundo a espécie; por subcategoria, segundo o formato do grão e granulometria; por grupo, segundo o aroma e o sabor; por classe, segundo a bebida; e por tipo, segundo a cor e qualidade.

“A classificação é feita com base no número de defeitos presentes na amostra determinando, a partir da quantidade equivalente de defeitos, o tipo do café. Analisa-se também a peneira e o aspecto dos grãos”, explica o professor. Segundo o pesquisador, vários fatores podem influenciar negativamente no sabor do café, tais como: colheita com elevada porcentagem de frutos verdes; colheita tardia com frutos secos, fermentados ou contaminados por fungos; colheita de café no chão; fermentação e deterioração do café durante os processos pós-colheita; infecções por fungos durante o armazenamento. “A qualidade é uma forte ferramenta para agregar valor ao café e um instrumento importante na melhoria da qualidade de vida dos produtores”, observa Flávio.

O professor espera que o curso transmita o conhecimento necessário para que produtores e demais interessados possam aumentar suas rendas. “Espero que a aula permita a melhoria dos processos pós-colheita, evitando as deteriorações que normalmente ocorrem no café, além de possibilitar a redução da ocorrência de defeitos físicos e bebidas que depreciam o café”, explica o doutor. Para ele, o tema do curso é bastante atual, além de ser relevante para o oferecimento de cafés com melhor qualidade que insiram o Brasil definitivamente no mercado internacional de cafés especiais.

O VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil ocorre em Araxá (MG), de 22 a 25 de agosto. O evento é uma realização do Consórcio Pesquisa Café, com organização da Universidade Federal de Lavras (Ufla), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Universidade Federal de Viçosa (UFV) e co-organização da Embrapa Café. Para mais informações, visite o site do simpósio.

Fonte: Área de Comunicação & Negócios da Embrapa Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *