Chega ao mercado a Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil – Safra 2010/11

Imprimir

Será lançada no próximo dia 26 em São Paulo, em evento na ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, a 7ª Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil – Safra 2010/2011. São oito marcas: Café Santo Grão, Café Três Serras (Café Fazenda Águas Claras), Café Baronesa, Café Caiçara, Café Excelsior, Café Número Um, Café Cajuba Gourmet e Lucca Cafés Especiais. Todas elaboradas com grãos dos lotes vencedores do 7º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café, realizado em dezembro passado, e que chegam ao mercado em embalagens sofisticadas, de 250 gramas, e identificadas com um selo numerado e controlado.

Criado pela ABIC – Associação Brasileira da Indústria de Café em 2004, o concurso, seguido desta edição especial, têm como objetivo unir as duas pontas da cadeia produtiva – lavoura e torrefação – oferecendo aos brasileiros os melhores cafés cultivados e industrializados no país.

Os consumidores poderão encontrar a edição especial nas lojas gourmet de diversas cidades e no portal Café Store (www.cafestore.com.br), que vai comercializar as marcas Três Serras, Santo Grão, Baronesa, Cajubá Gourmet e Lucca. A Casa Santa Luiza, sofisticado empório de São Paulo, também participa desta edição. Fará uma exposição especial no Mezanino da loja até 30 de abril, e nos dias 28 e 29 promoverá degustação das marcas Santo Grão, Excelsior, Três Serras e Baronesa.

Os lotes de café foram adquiridos pelas empresas em dezembro, durante disputado leilão. O Café Santo Grão, de São Paulo, conquistou o título de Campeão nas categorias Ouro e Diamante. A primeira, por ter pago o maior valor no pregão: R$ 5.100,00 pela saca de 60 kg do lote do produtor João Antônio Garrote, de Itaí, município paulista da região de Piraju.  A segunda, pelo maior investimento feito: pagou a soma de R$ 7.220,00 por outras duas sacas, também do cafeicultor Garrote. Já na categoria Especial – Microlote, a empresa campeã foi a Café Caiçara, de Jundiaí (SP), que arrematou as duas sacas de café arábica, preparadas pelo método Natural, do produtor Zaldenir Gonçalves, de Londrina (PR).

“O segmento de café gourmet, de maior valor agregado, tem crescido em torno de 15% a 20% ao ano, muito acima dos cafés tradicionais ou do dia-a-dia, que crescem em torno de 2% a 4%”, diz Almir José da Silva Filho, presidente da ABIC. Este segmento de cafés finos e diferenciados – como os que compõem a Edição Especial – correspondeu a algo em torno de 4% do mercado brasileiro em 2010, ou 800 mil sacas, com uma participação entre 6% a 7% na receita, ou R$ 380 milhões.

 

Fonte: Revista Cafeicultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *