Chances de El Niño sobem para quase 100% durante o verão no Brasil, alertam institutos americanos

Imprimir
As chances de ocorrência do fenômeno climático El Niño durante o verão no Brasil aumentam a cada mês. O instituto internacional de pesquisas climáticas da Universidade de Columbia, por exemplo, elevou para 95% a possibilidade do fenômeno de fraca a moderada intensidade.

O período seria próximo ao do inverno no hemisfério Norte e verão no hemisfério Sul, que vai de 21 de dezembro até 20 de março. Os reflexos do fenômeno são sentidos em diversos países. O Brasil estará no ápice do desenvolvimento da safra de grãos, cana-de-açúcar e café.

“Existe uma chance de 95%, com base nos modelos, para as condições de El Niño SST na atual temporada de novembro e janeiro”, disse o instituto da Universidade de Columbia ao citar que os meteorologistas internacionais ainda aguardam as condições da atmosfera para cravar recomendações.

Apesar da alta porcentagem de ocorrência do fenômeno, o instituto da universidade norte-americana pondera que para que o El Niño seja oficializado, a anomalia do Niño 3.4 SST teria que ficar acima do limiar de + 0,5ºC por cinco médias consecutivas e sobrepostas de três meses.

Probabilidade de ocorrência do El Niño, não sua força potencial para os próximos meses – Fonte: International Research Institute for Climate and Society | Columbia University

De acordo com mapa de previsão probabilística do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) para todo o Brasil em janeiro, fevereiro e março, chuvas acima do normal são previstas para a maior parte da região central, além de uma condição abaixo do normal e na média em áreas do Norte e Nordeste.

No Sul, a tendência para os próximos meses é de chuvas abaixo do normal na faixa central, no estado de Santa Catarina e áreas do Rio Grande do Sul e Paraná, e normalidade e precipitações acima do normal nas outras localidades da região. Lavouras de soja no Paraná enfrentam condições climáticas adversas.

Veja o mapa de previsão probabilística para todo o Brasil em janeiro, fevereiro e março:

Fonte: Inmet

“Na área central do Brasil, pegando o Mato Grosso do Sul, Paraná, Minas Gerais e Matopiba, a chuva deve ficar acima da média. Em alguns lugares mais ao Sul, a média registrada desses três meses deve ser mais baixa”, disse em entrevista ao Notícias Agrícolas Mamedes Luiz Melo, meteorologista do Inmet

O meteorologista ressalta que esses mapas apontam média acumulada de três meses, portanto as condições podem mudar mensalmente. Apesar da possibilidade de menos chuvas em áreas do Sul, característica diferente de El Niño, para Melo o fenômeno já dá sinais de atuação.

“Eu particularmente já acredito em uma influência do El Niño porque estamos vendo temperaturas elevadas na região Sudeste e isso já é um sinal de que ele já está mostrando as suas caras”, ressaltou Melo.

Arte: Hugo Galdino/Notícias Agrícolas

Historicamente, em anos de El Niño, as chuvas tendem a ficar mais concentradas no extremo Sul da região Sul do Brasil, além de calor em áreas do Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. Em áreas do extremo Norte do país, dentre elas as regiões Norte e Nordeste, a tendência é de tempo seco.

O Centro de Previsão Climática do NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional) dos Estados Unidos aponta chances de ocorrência de El Niño próxima de 90% no verão do hemisfério Norte e cerca de 60% no nosso outono, ainda como um fenômeno de fraca intensidade.

“Em resumo, espera-se que o El Niño se forme e continue no hemisfério Norte no inverno de 2018-19 (~ 90% de chance) e na primavera (~ 60% de chance”, disse o centro oficial de previsão climática dos Estados Unidos. A última atualização apostava em 80% de chances do fenômeno.

Anomalias médias da temperatura da superfície do mar (TSM) (° C) nas últimas semanas – Fonte: The Climate Prediction Center/NOAA

O El Niño é caracterizado pelo aquecimento das águas da superfície do oceano pacífico. No mapa divulgado pelo Centro, é possível ver esse aquecimento sazonal nas águas da superfície do mar em grande parte do Pacífico equatorial.

De acordo com a Reuters internacional, o último aquecimento na temperatura da superfície oceânica no Leste e Centro do Pacífico, evento que ocorre a cada poucos anos, aconteceu entre 2015 e 2016 e causou danos às lavouras, incêndios e inundações repentinas pelo mundo.

Fonte: Notícias Agrícolas (Por Jhonatas Simião)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *