Cepea: feriados travaram o mercado de café em novembro

Imprimir
Na análise do mercado de café no mês de novembro, os pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Cepea/Esalq/USP), relatam que apesar de oscilações mais expressivas em alguns dias, as cotações do café arábica encerraram o mês praticamente estáveis, reflexo da baixa liquidez do mercado doméstico.

O Indicador CEPEA/ESALQ do arábica, tipo 6 bebida dura para melhor, posto na capital paulista teve média de R$ 441,59/saca de 60 kg, avanço de apenas 0,08% em relação à média de outubro. “Em comparação com o mesmo período do ano passado, entretanto, os preços médios apresentam queda de 11,05% (valores deflacionados pelo IGP-DI de outubro/18).”

Os pesquisadores do Cepea observam que além das fortes oscilações das cotações externas do café e do dólar, os feriados em novembro (no Brasil: Finados, no dia 2, Proclamação da República, no dia 15, e Consciência Negra, no dia 20; nos EUA: Dia de Ação de Graças, no dia 22) mantiveram agentes fortemente retraídos, travando o mercado.
Segundo eles, as negociações ocorreram apenas diante da necessidade de alguma das pontas compradora ou vendedora e em dias de alta dos futuros de arábica. “Vale ressaltar que o volume de café da safra 2018/2019 comercializado até novembro é superior aos 60%, sendo que foram vendidos sobretudo grãos de boa qualidade e um menor volume de cafés de qualidade inferior.”

As sondagens de mercado feitas pelos pesquisadores do Cepea constaram que a expectativa é que o ritmo de negócios siga mais lento até o final do ano, em comparação com a movimentação observada no mercado em outubro. “Além das recentes quedas, produtores devem aguardar até o início do próximo ano para retomada nas negociações, devido à questão fiscal (imposto de renda).”

Os pesquisadores lembram que as volumosas chuvas em novembro seguiram auxiliando na condição dos cafezais e no desenvolvimento da safra 2019/2020. “Em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea, as lavouras já estão na fase de desenvolvimento dos chumbinhos. Com as precipitações mais frequentes nos últimos meses, a expectativa de agentes é de uma boa safra para o próximo ano, considerando que grande parte dos cafezais está no ciclo de bienalidade negativa.”

Eles destacam que, apesar da bienalidade negativa de grande parte das lavouras na próxima temporada, caso o clima siga favorável, colaboradores ainda esperam uma boa produção. Vale apontar, no entanto, que alguns produtores já se preocupam com uma maior incidência de broca em 2019/20. Devido ao elevado volume de café produzido em 2018/19 e às chuvas logo em agosto, os trabalhos de varrição foram atrapalhados em diversas localidades, o que ocasionou em maior proliferação da praga. Entretanto, como as lavouras ainda estão em fase de chumbinho, ainda é cedo para avaliar o possível impacto na temporada, dizem os pesquisadores.

Fonte: Revista Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *