Cecafé inaugura mais duas salas do programa “Criança do Café na Escola” em Minas Gerais

Imprimir

 Todas as crianças beneficiadas são de famílias de lavradores do café (meeiros, trabalho por dia)

O Cecafé – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil inaugura nesta terça-feira e quinta-feira, dias 17 e 19, às 10h, duas salas do programa “Criança do Café na Escola”. As salas, em Coqueiral e Paraguaçu, elevarão para cerca de 24 mil o número de jovens e crianças mineiras que participam do projeto.

A iniciativa prevê a montagem de salas de informática com dez computadores cada, doados às escolas rurais, com todas as licenças doadas pela Microsoft. A nova sala digital de Coqueiral, a 101ª do projeto e a 60ª em Minas Gerais, será uma parceria com a Armajaro e incentivo da Cocatrel. A sala de Paraguaçu, a 102ª do projeto e a 61ª de Minas Gerais, terá como parceiros a Valorização e a Fondazione Giuseppe Lavazza.

No projeto todo, desenvolvido pelo Cecafé com outras empresas do setor, já foram beneficiados mais de 35 mil jovens do ensino fundamental. Foram investidos, até o momento, aproximadamente R$ 3 milhões.

O programa é parte da estratégia da entidade de estimular e investir em projetos de responsabilidade social que, ao mesmo tempo, representam um diferencial para os cafés brasileiros em relação aos concorrentes. É o chamado café sustentável, que atende os preceitos básicos de preservação ambiental e inclusão social das famílias cafeicultoras.

“Não se trata de modismo, mas de uma política da qual não há saída. No exterior, há algum tempo se questiona a procedência do café oferecido. Sociedades maduras, com maioria de população com nível de ensino superior e altos índices de qualidade de vida estão exigindo produtos enquadrados nos quesitos de responsabilidade — que passam pelo cultivo e por uma atuação social relacionada ao ambiente em que vivem os cidadãos e à sustentabilidade econômica” afirma Guilherme Braga, diretor-geral do Cecafé.

Segundo ele, esse consumidor está atento ao senso de responsabilidade das empresas. A longo prazo, o fornecedor que não estiver engajado em atitudes sustentáveis estará fora do mercado.

O consumo do chamado café sustentável, produzido de acordo com padrões éticos, ambientais e sociais já é uma tendência. Gigantes como Procter & Gamble, Sara Lee e até as cafeterias do edifício-sede da ONU começaram a investir no segmento.

Coqueiral
APAE de Coqueiral – sala Adelino Junqueira Nogueira
Rua Juca Faustino, 180
17/08 – terça-feira, às 10h

Paraguaçu
APAE de Paraguaçu – sala
Rua Padre Piccinini, 646
19/08 – quinta-feira, às 10h

Obs.: Todas as crianças beneficiadas são de famílias de lavradores do café (meeiros, trabalho por dia).

Fonte: Revista Cafeicultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *