Carreta com 30 toneladas de café é recuperada depois de motorista ser feito refém por 5 horas, no ES

Imprimir
Carreta foi encontrada no bairro Serra Dourada I. Suspeitos foram identificados, mas ainda não foram presos.

Uma carreta carregada com 30 toneladas de café roubada em um posto de combustíveis na Serra, na noite dessa sexta-feira (2), foi recuperada pela Polícia Civil, neste sábado (3), no bairro Serra Dourada I. O motorista ficou refém dos criminosos durante cinco horas. Os suspeitos foram identificados, mas ninguém foi preso.

O motorista da carreta, de 64 anos, contou que saiu de Nova Venécia, no norte do estado, na quinta-feira (1º), e levaria a carga para o interior do estado de São Paulo. Ele passou em Linhares e seguiu a viagem na sexta. Ao parar em um posto de combustíveis na BR-101, na Serra, ele foi rendido por dois criminosos.

“Eles me abordaram com a arma na cabeça, me colocaram na cama do caminhão e colocaram uma toalha no meu rosto para eu não ver eles. Depois pararam a carreta em lugar ermo, com a toalha no rosto me levaram para o cativeiro e assim fiquei lá até 2h da madrugada. Foi terrível, muita pressão. Levaram tudo que estava no caminhão. Eu fui para a praça de pedágio e pedi socorro, me deram um remédio para baixar a pressão.

Os suspeitos fizeram o motorista dirigir por cerca de 3 quilômetros. Chegando em um matagal, a vítima e um dos criminosos desceram do caminhão. Um assaltante ficou vigiando o motorista até 2h deste sábado, quando o suspeito decidiu fugir e libertar o motorista.

O motorista então pediu ajuda no posto de pedágio da Serra e a polícia começou a fazer buscas com ajuda das câmeras de segurança da BR-101. A carreta foi localizada no bairro Serra Dourada I.

Roubos de Carga
Em 2018 foram registrados 60 roubos a cargas no Espírito Santo. Neste ano foram registrados quatro roubos.

A Polícia Civil acredita que esse número caiu graças a prisão de uma quadrilha especializada nesse tipo de crime que agia aqui no Espírito Santo, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. Dez pessoas já foram presas.

Outras seis pessoas continuam foragidas. O delegado do Departamento Especializado em Investigações Criminais (DEIC), Gabriel Monteiro, a suspeita é que esse crime tenha ligação com a organização.

“A carga é avaliada em R$ 200 mil. Trata-se de uma organização. Eles já tinham um receptador que iria adquirir essa carga roubada e nós já estávamos investigando essa organização. Acreditamos que, pelo modus operandi, seja a mesma organização criminosa. Por isso, vamos intensificar a investigação e identificar quem seria o receptor dessa carga e os criminosos que fizeram esse roubo”, explicou Monteiro.

Por Fabio Linhares, TV Gazeta G1
Foto: Fabio Linhares/ TV Gazeta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *