Cai a receita da balança mineira

Imprimir
exportacao container (800 x 531)Embora as exportações mineiras continuem crescendo em termos de volume na comparação com o ano anterior, as receitas dos embarques do Estado seguem abaixo das registradas em 2015. A justificativa continua sendo as cotações internacionais de algumas das principais commodities comercializadas pelo Estado.

Ao todo, os embarques estaduais somaram US$ 17,825 bilhões de janeiro a outubro contra US$ 18,666 bilhões no mesmo intervalo do ano anterior, retração de 4,49% entre os períodos. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic).

Ainda assim, para o acumulado do ano até outubro, o saldo da balança mineira continua positivo em US$ 12,372 bilhões e 10,8% maior que o resultado do Estado no mesmo intervalo de 2015, quando o superávit havia sido de US$ 11,161 bilhões.

Em termos de volume, as exportações de Minas Gerais alcançaram 177,845 milhões de toneladas de janeiro a outubro deste exercício, contra 166,622 milhões de toneladas na mesma época do ano passado. Isso significa avanço de 6,73% entre os períodos.

Ainda de acordo com o Mdic, por produto, no acumulado até outubro, Minas embarcou cerca de 10 milhões de toneladas a mais de minério de ferro – principal produto da pauta exportadora – em relação aos mesmos meses de 2015, e, mesmo assim, a receita com os embarques da commodity ficou praticamente estável (0,62%) no mesmo período.

Para se ter uma ideia, somente até setembro deste ano que as exportações do insumo siderúrgico foram superar, em valor, as de 2015. O motivo foi a leve recuperação dos preços internacionais da commodity, que saíram de US$ 41,9 a tonelada em janeiro para aproximadamente US$ 56 por tonelada atualmente, um aumento de 31,5%.

Ao todo, as remessas de minério renderam US$ 5,228 bilhões no acumulado até o mês passado sobre US$ 5,195 bilhões em igual época de 2015. Quando considerado o volume embarcado, foram 161,467 milhões de toneladas nos dez primeiros meses deste ano sobre 151,166 milhões de toneladas um ano antes. Neste caso, o aumento foi de 6,37%.

No caso do café, outro importante produto da pauta exportadora, a receita com os embarques do grão somou US$ 2,731 bilhões ante US$ 3,033 bilhões nos mesmos meses de 2015, uma redução de 9,94%. Em volume, houve crescimento de cerca de 5%, já que foram 1,046 milhão de toneladas neste ano contra 993 mil toneladas em 2015.

Importações – De janeiro a outubro, o Estado importou US$ 5,452 bilhões em mercadorias, com retração de 27,3% em relação ao total do mesmo período de 2015 (US$ 7,502 bilhões). Foram 7,964 milhões de toneladas até o décimo mês deste exercício sobre 8,491 milhões de toneladas no ano anterior. A hulha betuminosa, que basicamente é o carvão mineral usado pela indústria siderúrgica, foi o item mais importado, com uma participação de 5,16%.

A corrente comercial, que é a soma das exportações e importações, de Minas continua perdendo força. Até outubro, o total alcançou US$ 23,277 bilhões, com queda de 12,4% em relação à de idêntico intervalo do ano anterior (US$ 26,165 bilhões).

Fonte: Diário do Comércio (Por Mara Bianchetti)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *