Cafés Especiais: produtores que participam do Programa ATeG são finalistas em concursos

Imprimir
A competitividade na produção cafeeira é acirrada. Isso faz do mercado cada vez mais exigente. E o diferencial está na bebida. Cafeicultores da cidade de Conceição das Pedras, interior do estado, e que são acompanhados pelo Programa Assistência Técnica e Gerencial (ATeG Café), do Senar Minas estão no caminho certo. Eles foram classificados em concursos de cafés especiais de Minas Gerais.

De acordo com o técnico Rodrigo Doval, a maioria tem buscado uma melhor qualidade da bebida. Nas visitas técnicas são apontados erros e acertos nas lavouras. “Eles tinham conhecimento de qualidade, mas faltava um pouco de técnica na produção. Tenho trabalhado com eles o manejo correto de adubação entre outros métodos de plantio e cuidados com a lavoura. Isso tem dado resultados incríveis, como a classificação de alguns em renomados concursos de cafés especiais”.

O clima e a altitude de 1.300 metros mostram o potencial produtivo da região montanhosa de Conceição das Pedras. E os produtores estão investindo. Juliano Ribeiro Vilas Boas (foto ao lado) é produtor de café. A plantação de 5 hectares fica no Sítio Chacrinha. O cafeicultor, que está no programa ATeG desde 2017, produz café bebida mole e estritamente mole. No Concurso Carmo Best Cup deste ano, o cafeicultor conquistou o 8º lugar e vendeu 8 sacas de café de 60 Kg, por R$ 2.241,00. “Só consegui esse resultado porque tenho um acompanhamento de um técnico na minha propriedade, isso é fundamental para o produtor. Estou muito feliz. Esse é o segundo ano que participo, mas é a primeira vez que fico bem colocado”.

O produtor Clésio Pereira da Silva, que há 33 anos cultiva café, trabalha sozinho no Sítio Santa Catarina. O cafeicultor, que tem 5.800 pés de cafés plantados e em produção, em 2016 ficou entre os 30 finalistas no concurso de qualidade de cafés especiais promovido pelo Associação Brasileira de Cafés Especais – BSCA, em Jacarezinho, no Paraná. Este ano, ele se inscreveu na 7ª edição do Concurso de Cafés Especiais da Cooperativa Central de Cafeicultores e Agropecuaristas de Minas Gerais – Coccamig, e mais uma vez ficou bem classificado. “Eu fiquei entre os 30 produtores. E, com certeza esse é o resultado de um trabalho conjunto com o técnico Rodrigo, que mostrou onde eu estava errando. Tive uma mudança de atitude na lavoura e estou muito contente com o resultado”, conta.

Produtor há 25 anos, José Maurício de Souza também está entre os finalistas do concurso da Coccamig e entre os dez do 7º concurso da Cooperativa Agropecuária do Vale do Sapucaí – Coopervass, de cafés especiais. Com uma plantação de 32 hectares do grão, o produtor trabalha com café especial bebida mole. Ano passado ficou entre os 50 selecionados e conquistou o 3º lugar. “Antes de entrar para o ATeG eu não conseguia atingir o resultado esperado. Hoje posso dizer que consegui agregar valor ao meu produto com as orientações que recebi no programa. E, com certeza todo conhecimento ajudou nos resultados dos concursos”.

José Elizeu dos Santos e a esposa Elidiana Fátima dos Santos são produtores de cafés especiais. As lavouras do grão ficam concentradas em três talhões nos sítios Espigão, Cachoeira e Lavrinha, na cidade de Conceição das Pedras. As mulheres também estão conquistando o espaço no campo, trazendo novas ideias e diversificando a produção cafeeira. Foi com esse propósito que José Elizeu inscreveu a esposa Elidiana no Projeto Florada, da Três Corações. “O nosso café já ficou entre os 100 melhores do Brasil, no concurso da BSCA. Ano passado conquistamos o 4º lugar no concurso realizado pelo Senar Minas. Estamos muito felizes. O técnico Rodrigo tem incentivado a gente não só na lavoura, mas a participar de concursos e mostrar o nosso potencial”, comenta José Elizeu.

O produtor Allan Júnior de Oliveira Vilas Boas (na foto ao lado), do Sítio Dois Irmãos, tem uma área de 20 hectares com cerca de 60 mil pés de cafés plantados. O cafeicultor vem se escrevendo em concursos desde 2013, e já foi classificado em 2015 no concurso da BSCA, sendo um dos campeões nacionais. Também teve seu café classificado no concurso da Semana Internacional do Café, em 2015, 2016 e 2017. No concurso regional do Senar Minas ficou em 4º lugar e em 6º lugar em um concurso promovido pelos produtores participantes do programa ATeG, em Conceição das Pedras. Ano passado, o produtor foi campeão do concurso da Coccamig.

“A gente trabalha com cafés especiais desde 2013, quando levamos todo café colhido para a cooperativa de Carmo de Minas, Cocarive. Só então descobrimos q havia um mercado especial para cafés com mais qualidades e, desde então, mudamos todo o manejo e estrutura. Eu, meu irmão, meu pai e minha mãe, todo mundo trabalha unido. Todo produtor deveria aproveitar essa oportunidade do programa, é um meio caminho andado para quem quer buscar uma certificação; é uma chance de organizar e gerir melhor a propriedade; um grande aprendizado e uma ótima parceria para o produtor”, conclui.

ATeG Café
O objetivo do programa, que é inédito no estado, é trabalhar junto ao produtor oferecendo-lhe tecnologias, consultorias e trabalhos gerenciais que visam o crescimento da produção com qualidade e com menor custo.
O programa atende seiscentos produtos das Matas de Minas e Sul do estado. No total são 42 municípios mineiros. Os produtores participantes foram divididos em grupos de 30, no qual o técnico faz um acompanhamento traçando um diagnóstico produtivo individual, um planejamento, gestão e avaliação dos resultados obtidos. As visitas ocorrem mensalmente. Nesse trabalho é apontado os erros e oferecido meios inovadores de produção.

Fonte: Assessoria de Comunicação Senar Minas – Regional Lavras (Por Lisa Fávaro)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *