Cafés especiais: mesmo com produção menor, demanda é atendida

Imprimir

A exportação colombiana de cafés especiais se mantém estável em 2012 devido aos níveis menores de produção e a debilitada demanda na Europa, de acordo com fontes da Federacafe (Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia). O país sul-americano é o principal produtor mundial de grãos arábica de alta qualidade e experimentará em 2012 seu quarto ano consecutivo de produção abaixo de sua capacidade, devido às chuvas torrenciais que atingem as lavouras.

A expectativa é que as remessas de grãos especiais fiquem em um nível aproximado de 1 milhão de sacas nestes anos, ligeiramente acima das 970 mil sacas de 2011, segundo apontou Andrés Valencia, diretor de vendas da entidade. "Temos produção suficiente como para atender a demanda dos grãos especiais da Colômbia.

O consumo de specialties coffees poderia cair na Europa devido à crise econômica", afirmou. A Federação representa 65% das exportações totais de cafés especiais do país andino, que são apreciados por seu sabor doce e aroma intenso, que o tornaram muito popular em mercados como da Alemanha, Suíça e Japão. Valencia disse que, no atual momento, não se verifica a necessidade de certificar mais hectares cultivados com cafés especiais. "Não queremos gerar um excesso de oferta sem necessidade", precisou. O país teve seu pior ano em mais de três décadas em 2011, depois que as fortes chuvas que atingiram a nação afetam parte das lavouras e a ferrugem reduziu a produção total a um nível inferior à média histórica de 11 milhões de sacas. A Federacafe admite que é provável que a safra deste ano também fique abaixo, variando entre 8,5 e 9,5 milhões de sacas.

A demanda global por grãos especiais cresce entre 8% e 10% anualmente, de acordo com a Federação, acompanhando a concordância dos consumidores em se dispor a pagar mais por um produto cultivado organicamente, com menos impacto ambiental.

Os compradores pagam um prêmio de até 32,74 dólares por libra de café especial colombiano, em comparação com o valor de 2,49 dólares, que é a média atual do preço de referência do grão verde, segundo avaliou Juan Alvaro Arboleda, um exportador local. "Minha demanda de café especial cresceu mais de 100% em relação ao ano passado", sustentou Michael Pollack, diretor da torrefadora Brooklyn Roasting, em Nova Iorque. "Essa demanda por especiais continua crescendo a taxas razoáveis e quando passamos a verificar que a safra da Colômbia deste ano ia ser novamente pequena, foi uma grande decepção", complementou.

Fonte: Comarca de Garça

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *