Cafeicultores em crise na Guatemala enfrentam ameaça de Trump

Imprimir
A crise enfrentada pelos produtores de café da Guatemala, sofrendo com queda de preços das commodities e redução da renda, pode se transformar em pesadelo diante de ameaças de Donald Trump de imposição de tarifas contra o país.

Trump disse esta semana que sua administração está examinando tarifas e outras sanções depois de dizer que a Guatemala desistiu de um acordo para se tornar um “terceiro país seguro” para diminuir o fluxo de imigrantes sem documentos. As empresas norte-americanas, incluindo a Starbucks, são as principais compradoras de grãos de café do país latino-americano, segundo dados da Associação Nacional do Café da Guatemala, conhecida como Anacafé. O café é a exportação agrícola mais importante do país depois das bananas.

E enquanto a ameaça de Trump é feita em meio a sua batalha para reduzir a imigração, agir contra a Guatemala pode acabar produzindo o resultado oposto. A crise do café já forçou muitos dos pequenos produtores a deixar o país e fazer a arriscada viagem pelo México para cruzar a fronteira com os EUA. As tarifas provavelmente derrubariam ainda mais o mercado de commodities no país da América Central e possivelmente aumentariam o fluxo de migração.

Embora não haja informações oficiais sobre as possíveis tarifas, “estamos analisando os possíveis cenários”, disse Bernardo Solano, presidente da Anacafé, por e-mail. “Como os Estados Unidos são nosso principal parceiro comercial, se as tarifas aumentarem, isso afetaria a competitividade de nosso país”.

Os futuros de café negociados em Nova York caíram quase 25% nos últimos dois anos, à medida que os estoques aumentaram no Brasil, o maior produtor e exportador do mundo. A concorrência ficou tão acirrada e os preços tão baixos que a cafeicultura tornou-se insustentável para muitos pequenos produtores – levando seus filhos adultos a evitar o negócio. A Guatemala tem uma das maiores taxas de desigualdade na América Latina, com algumas das piores taxas de pobreza, desnutrição e mortalidade materno-infantil na região, especialmente nas áreas rurais e indígenas, de acordo com o Banco Mundial.

Se Trump seguir adiante com a ameaça, “agravaria a crise internacional de preços pela qual estamos passando, complicando ainda mais a economia das 125 mil famílias guatemaltecas produtoras de café que precisarão encontrar outras alternativas para gerar renda – e entre elas está a migração “, disse Solano.

Por Marvin G. Perez e Denitsa Tsekova – Bloomberg

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *