Cafeicultores buscam capacitação do SENAR para enfrentar crise

Imprimir

Produtores e trabalhadores rurais do Sul de Minas Gerais estão correndo atrás de capacitação do SENAR MINAS para enfrentar a crise do café, que se arrasta nos últimos dois anos. Em muitos municípios, os cursos gratuitos atendem demandas, principalmente, na área de maquinário agrícola e administração rural voltada para redução nos custos de produção.

Dos 40 cursos agendados esta semana na Regional Passos, que atende cidades do Sul e Sudoeste Mineiro, mais de 50% é voltado para os cafeicultores. Os treinamentos são realizados pelos Sindicatos dos Produtores Rurais, cooperativas e associações parceiras do SENAR.

Na Cooparaiso (Cooperativa Regional dos Cafeicultores de São Sebastião do Paraíso), o produtor de café já sente que a capacitação é importante no processo de produção. “Neste contexto de crise, o trabalho do SENAR é essencial, pois a qualificação reduz custos, melhora a qualidade do produto. A demanda continua crescente mesmo com a crise, não só para cursos tradicionais”, disse o educador cooperativista Ilson José Aparecido.

Os cursos mais procurados pelos produtores associados na Cooparaiso, nas cidades de São Sebastião do Paraíso, Pratápolis, São Tomás de Aquino, Itamogi e Bom Jesus da Penha, são os de Operação e Manutenção de Máquinas Agrícolas, Custos de Produção, Manejo Integrado de Pragas e Doenças do Cafeeiro e Aplicação de Agrotóxicos.

“Muitos cursos do SENAR antecipam as necessidades dos produtores, o que ajuda muito na redução dos custos e aponta os caminhos corretos. Sem falar que os cursos focam no negócio café”, afirmou.

Para o coordenador de desenvolvimento técnico da Cooxupé (Cooperativa Regional dos Cafeicultores em Guaxupé), Mário Ferraz de Araújo, a capacitação torna-se cada vez mais importante, pois prepara e aumenta a qualidade da mão de obra e melhora o gerenciamento dos negócios.

“O SENAR é fundamental nesse momento, porque os cursos ensinam como reduzir custos, evitar desperdícios e permite melhor gerenciamento da fazenda. O SENAR é nosso principal parceiro neste momento de crise”, afirmou Mário Ferraz.

Conforme ele, o convênio SENAR/Cooxupé disponibiliza cursos para nove mil cooperados no Sul de Minas. “Temos atendido muitas demandas de treinamentos, principalmente sobre custos de produção em Nova Resende e Monte Santo de Minas, além de operação e manutenção de máquinas agrícolas e aplicação de agrotóxicos”, contou. “Um funcionário bem capacitado reduz custos em todas as cadeias de produção”, completou.

O presidente do Sindicato de Guaxupé, Mário Guilherme Perocco Ribeiro, analisa que, apesar da crise enfrentada pelos cafeicultores, não se pode parar de investir. “Capacitar é uma forma de se ganhar em produtividade e reduzir custos. Com esta crise, o produtor não daria conta de pagar os cursos e seria um gasto a mais. Os cursos do SENAR nos proporcionam capacitação gratuita”, disse Mário.

Fonte: Assessoria de Comunicação do SENAR-MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *