Café sobe mais de 3% em NY diante de notícia sobre preço mínimo

Imprimir

Os futuros do café arábica tinham forte alta nesta quinta-feira na bolsa de Nova York diante da notícia de que o Ministério da Agricultura do Brasil anunciará às 15h o novo preço mínimo do produto, disseram fontes do mercado.

Em nota nesta quinta-feira, o Ministério da Agricultura não informou para quanto poderia subir o preço mínimo, que deverá ser utilizado para a implantação de uma nova política de sustentação das cotações no maior produtor e exportador global da commodity.

O ministro da Agricultura, Antônio Andrade, dará mais detalhes nesta tarde.

"Após o preço mínimo, deve ser divulgada alguma política de sustentação de preços… Parece que essa alta é uma antecipação do mercado a essas políticas", disse Eduardo Carvalhaes Júnior, da corretora Carvalhaes.

Às 13h11 (horário de Brasília), o primeiro contrato do café subia 3,4 por cento, a 1,3910 dólar por libra-peso, após subir mais de 4 por cento.
Uma elevação do preço mínimo é aguardada por agricultores do Brasil, que sofrem com preços internacionais oscilando perto da mínima de três anos, após uma safra recorde no país e com a proximidade de uma nova grande colheita.

Atualmente o preço mínimo do café arábica está em 261,69 reais.
Os preços praticados atualmente no mercado do arábica estão ao redor de 300 reais por saca.

A alta no preço mínimo do café poderá viabilizar algumas ferramentas governamentais de apoio ao setor, como os leilões de contrato de opção de venda.

"É o primeiro passo. Se o governo anunciar um preço mínimo, eu acho que o setor produtivo fará pressão para que novas medidas sejam tomadas para sustentar os preços", afirmou o agrônomo e pesquisador de café Sérgio Pereira.

Um exportador com sede em Santos também disse, na condição de anonimato, que a alta no mercado nesta quinta-feira é decorrente do anúncio do governo.

O Conselho Nacional do Café (CNC), entidade que reúne produtores e cooperativas, pede que o mínimo seja reajustado para 340 reais por saca.

Fonte: Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *