Café se destaca na safra paulista

Imprimir

São Paulo deve produzir cerca de 5,24 milhões de sacas de café nesta safraA produção de café do estado de São Paulo poderá alcançar 5,24 milhões de sacas beneficiadas nesta safra, volume 33,8% maior que o obtido na safra agrícola 2010/2011, de acordo com o levantamento de previsões e estimativas de safras do Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) e pela Coordenadoria de Assistência Técnica Integral da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

O acréscimo de 33,6% na produtividade deve-se, em parte, à ocorrência de chuvas observadas a partir do último trimestre de 2011 e primeiro de 2012, associado ao condizente pacote agronômico utilizado no manejo dos cafezais por parte dos cafeicultores, que propiciou excelente recuperação vegetativa das plantas. A área plantada é de 223,5 mil hectares, praticamente a mesma que a passada.

Para cana-de-açúcar, a previsão do volume a ser produzido é de 416,3 milhões de toneladas, crescimento de 2,5% em relação à safra anterior com a produtividade esperada de 78,8 t/ha, representando um aumento de 2,3%, segundo pesquisadores do IEA. Em relação à área total cultivada, a expansão da cultura deve crescer 1,7%, enquanto para a área corte o aumento previsto é de apenas 0,2%. Apesar dos números atuais serem positivos na comparação com a safra 2010/2011, o ritmo de crescimento é menor quando comparados as safras dos anos de 2001 a 2010.

Com base nos resultados, a colheita de grãos nesta safra deve somar 7,04 milhões de toneladas, o que representa acréscimo de 10% em relação ao ano agrícola anterior. Essa variação no agregado se deve aos ganhos de produtividade, às condições climáticas que não chegaram a comprometer a produção, à tecnologia aplicada no campo e a um pequeno aumento de 2,5% de área plantada.

Os resultados positivos não se refletem, no entanto na safra 2011/2012 do tomate envarado, destinado ao consumo in natura. Nesse caso, a área cultivada de aproximadamente 8,1 mil hectares e produção esperada de 558,5 mil toneladas representam quedas de 4,6% e de 5,0%, respectivamente, em relação à safra 2010/11. Para a produtividade, espera-se diminuição de 0,5%, chegando a cerca de 68,6 t/ha.

Já para o tomate rasteiro (indústria), a previsão de produção da safra em São Paulo é de 319,8 mil toneladas, 15,7% maior que em 2010/2011, resultado principalmente da expansão de área (10,7%), em vista do aumento da demanda por molho de tomate industrializado. Os ganhos de produtividade são da ordem de 4,4%.

A safra paulista de laranja (realizada pelo método subjetivo), para a safra agrícola 2011/12 (safra industrial 2012/13), está estimada em 363,1 milhões de caixas de 40,8 kg, volume 5,6% inferior ao obtido na safra anterior. A queda na produção pode ser creditada principalmente aos fatores climáticos, como a baixa precipitação na época do pegamento, que reduziu a quantidade de frutos por planta da primeira florada. Outro motivo bastante significativo é a maior incidência de doenças que vem acometendo os pomares, como a pinta-preta, o cancro cítrico e o greening, provocados tanto pelos fatores climáticos, que contribuíram para uma maior incidência desses agentes fitopatogêncios, como pela falta de investimento nos tratos culturais.

O volume inclui tanto as frutas comerciais como os frutos provenientes de pomares não expressivos economicamente, e as perdas relativas ao processo produtivo e à colheita. A área total plantada está sendo prevista em 557,73 mil hectares (2,1% inferior que a plantada na safra passada), sendo 495,78 mil hectares de pomares em produção. A expectativa dos citricultores para essa safra quanto à produtividade média por hectare é semelhante ao ano safra anterior, que foi de 732 caixas de 40,8kg por hectare.

Fonte: Globo Rural Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *