Café quadruplica exportação em Garça (SP)

Imprimir
Na contramão do atual cenário em que vários municípios patinam frente à economia brasileira, Garça (70 quilômetros de Bauru) tem demonstrado números animadores sobre a exportação. Puxada pelo café, que representa 83% das vendas, a cidade conseguiu aumentar 420,54% o valor que fatura com a saída de produtos para o Exterior. Os dados são resultados de um relatório do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), que compara o primeiro semestre deste ano com mesmo período em 2018.

Em números, as exportações somaram US$ 26,86 milhões em 2019, contra US$ 5,16 milhões dos primeiros seis meses do ano passado, gerando superávit de US$ 25,14 milhões ao município.

Os outros 17% são correspondentes às exportações de maquinários.

IDENTIDADE
O prefeito de Garça, João Carlos Santos, diz que, na prática, o número de lavouras não aumentou. A microrregião de Garça continua com 1,2 mil produtores e 30 mil hectares produtivos. O segredo para o aumento, segundo ele, está em uma ressignificação nos modelos de negócios voltados ao café local e da união dos produtores para qualificar e dar personalidade ao produto oriundo de Garça.

“Antes, a produção era vendida mais no mercado interno e o nosso café não tinha identidade. Então, as grandes empresas não enxergavam esse potencial. O café era até misturado a outros para ser exportado”, cita o prefeito. “Quando assumimos a gestão, incentivamos os pequenos e médios produtores, que já se organizavam através de associação (Associação dos Produtores de Cafés Especiais da Região de Garça). Ao agregar valor e técnicas na melhoria da qualidade e informação sobre origem, mudamos a forma de apresentação do café ao mercado. Agora, ele sai de Garça direto para o Exterior”, explica o prefeito.

Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Bruno Henrique Severino destaca o desenvolvimento do novo distrito empresarial, os trabalhos para conquista da Indicação Geográfica dos Cafés da Região de Garça (IG) e as parcerias firmadas para a internacionalização, como com o Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX) – que oferece consultoria gratuita -, como pontos que também ajudaram.

“Estamos atentos e ampliando as nossas relações internacionais. Em 2018, por exemplo, recebemos o vice-cônsul da Suécia, 3.º maior consumidor de café da Europa. No mês passado, também recebemos o diretor da Câmara de Comércio Brasil Catalunha, que visitou algumas fazendas. E, durante o Cerejeiras Festival, recebemos o cônsul-geral do Japão em São Paulo”, cita.

AQUECIMENTO
Para o prefeito, os números colocam Garça em cenário de aquecimento econômico. “Agrega no ICMS da região toda. É um dinheiro que deve ficar no município e trazer melhorias”, pontua Santos. Garça fechou o semestre importando 49,57% a mais que no mesmo período de 2018. Em números reais, foram importados US$ 1,72 milhões em produtos.

TENDÊNCIA
O aumento segue uma tendência. Em 2018 todo, Garça faturou US$ 39,94 milhões com exportações, valor que representa crescimento de 230% em relação ao ano de 2017. A cidade tem 14 exportadores, dentre eles empresas e pessoas físicas. Os principais destinos dos produtos garcenses são a Itália, a Alemanha, Argentina e Japão.

Fonte: Jornal da Cidade JCNet Via CNC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *