Café oscila muito em NY e fecha próximo da estabilidade

Imprimir

Os contratos futuros de café arábica negociados na ICE Futures US encerraram esta quinta-feira com ligeiras perdas, em um dia caracterizado por uma considerável volatilidade nos preços, que demonstraram uma falta de direcionamento claro.

As cotações se mantiveram dentro do intervalo construído há várias sessões e que demonstra estar bem estruturado, já que o mercado observa uma zona compradora consistente próxima do suporte e vários vendedores no nível próximo de 240,00 centavos de dólar, o que impede que novos stops, sejam eles de compra ou de venda, sejam acionados.

Fundamentalmente, o mercado não apresenta grandes novidades. Players destacaram os números revelados no dia anterior sobre o consumo brasileiro de café, que continua em uma progressão de alta, contudo, esses números estão amplamente assimilados e ninguém duvida que o Brasil, em muito breve, se tornará o maior consumidor mundial do grão.

Tecnicamente, apontam os especialistas, o mercado continua em um viés de alta, conseguindo se manter acima de algumas médias móveis importantes, entretanto, a primeira resistência, em 244,50 centavos de dólar, não consegue ser testada, o que, em tese, daria espaço para novos ganhos.

Os operadores técnicos sustentam que é vital que esse nível seja rompido, já que, se não houver a demonstração de força, é possível que os bearish (baixistas) se sintam mais estimulados a levar o mercado para o campo próximo do suporte de 230,00 centavos por libra. No encerramento do dia, o março em Nova Iorque teve perda de 55 pontos com 236,95 centavos, sendo a máxima em 241,50 e a mínima em 234,70 centavos por libra, com o maio tendo oscilação negativa de 65 pontos, com a libra a 238,65 centavos, sendo a máxima em 243,10 e a mínima em 236,60 centavos por libra.

Na Euronext/Liffe, em Londres, a posição março registrou baixa de 6 dólares, com 2.090 dólares por tonelada, com o maio tendo desvalorização de 6 dólares, com 2.118 dólares por tonelada.

De acordo com analistas internacionais, o dia foi caracterizado por variações interessantes de preço, porém, sempre dentro do range que vem sendo praticado ao longo dos últimos tempos na bolsa nova-iorquina. O aspecto macroeconômico, por sua vez, não influenciou no humor das cotações. "Tivemos um dia neutro para as commodities, com o índice CRB tendo pouca oscilação e várias matérias-primas também não tiveram grandes mudanças, excetuando o dólar.

Chegamos, pela manhã, a ter ganhos relativamente bons, que foram sendo escasseados, pouco a pouco, experimentamos algumas perdas, fechamos o intraday com ligeiras perdas e, no after-hours, registramos ganhos mínimos", disse um trader.

O mercado continua acima da média móvel de 200 dias, atualmente em 181,86 centavos por libra peso, considerado agora o grande referencial de longo prazo. Analisando outras médias móvel, o cenário se mostra também bullish (altista), com as cotações ficando acima da média de 100 dias, que é de 207,72 centavos e também da de 40 dias, que é de 226,32 centavos por libra. "Estamos acima da média de 40 dias há várias semanas o que mantém nossa tendência de alta intacta", disse Paul Hare, vice-presidente do Linn Group.

O especialista aponta que o mercado ainda tende para compra, sendo que "para se manter com essa tendência de alta é necessário que consigamos fechar acima do nível de 242,00/244,00 centavos por libra para estender os ganhos", sustentou.

No lado contrário, o mercado conta com um suporte em 230,00 centavos, que, se rompido, poderia dar espaço para uma maior ação vendedora. As exportações de café do Brasil em janeiro, até o dia 26, somaram 1.748.459 sacas, contra 3.025.743 sacas registradas no mesmo período de dezembro, informou o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil).

Os estoques certificados de café na bolsa de Nova Iorque tiveram queda de 500 sacas indo para 1.645.462 sacas. O volume negociado no dia na ICE Futures US foi estimado em 13.080 lotes, com as opções tendo 1.497 calls e 1.234 puts.

Tecnicamente, o março na ICE Futures US tem uma resistência em 241,50, 241,80, 242,00, 242,50, 243,00, 243,50, 244,00, 244,50, 244,90-245,00 e 245,50 centavos de dólar por libra peso, com o suporte em 234,70, 234,50, 234,00, 233,50, 233,00, 232,50, 232,00, 231,80, 231,50, 231,00 e 230,50 centavos por libra.

Fonte: Agnocafe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *