Café: Lavouras da safra 2016/17 do ES têm perdas de até 90% devido à seca; veja fotos

Imprimir

A safra 2016/17 de café robusta do Espírito Santo está ameaçada pela seca. Mesmo após as recentes chuvas no estado que é o maior produtor da variedade no Brasil, as condições das lavouras impressionam. (Veja fotos abaixo). Na área de abrangência da Cooabriel (Cooperativa Agrária dos Cafeicultores de São Gabriel) algumas fazendas registram perdas de até 90% e especialistas já estimam que o potencial produtivo da temporada 2017/18 já começa a ser comprometido.

"Até recebemos chuvas na região de Vila Valério (ES) nos últimos dias. No entanto, os volumes ainda são muito baixos se comparados com o longo período de seca que tivemos", afirma o conselheiro administrativo da Cooabriel, Michel Pinheiro Machado. Nos últimos dois meses a região recebeu cerca de 70 milímetros de chuva.

Diante deste cenário, o governo do Espírito Santo continua proibindo a irrigação das lavouras em alguns municípios após o risco de desabastecimento. Em levantamento divulgado em novembro pelas autoridades do estado, a seca gerou prejuízo superior a R$ 1 bilhão. Na cafeicultura, a quebra na produção foi estimada, na época, em 22,6%.

Na área de abrangência da Cooabriel, que atende cerca de cinco mil cooperados, estima-se que a quebra na produção no próximo ano chegue a 40%. Porém, em algumas fazendas as perdas são de 90%. "Muitos produtores não vão colher o café no ano que vem porque não compensa. Também já estimamos quebra de pelo menos 15% em 2017 porque as plantas não estão crescendo por causa da seca", afirma Machado.

Vale lembrar que na safra passada o estado também enfrentou grave seca que reduziu a produção em cerca de 30%. "A expectativa é de que as condições climáticas sejam melhores agora em dezembro e no início de 2016 porque o café robusta tem uma capacidade boa de recuperação. Do contrário, teremos prejuízos ainda maiores", explica o conselheiro administrativo da Cooabriel.

Diante deste cenário, a expectativa é de preços mais altos para produtores em 2016. Na terça-feira (15), o Indicador CEPEA/ESALQ do robusta tipo 6, peneira 13 acima, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 377,86. Enquanto que na Cooabriel a saca estava sendo negociada em cerca de R$ 360,00.

Veja fotos das lavouras na região de Vila Valério (ES) enviadas por Michel Pinheiro Machado, da Cooabriel:

Fonte: Notícias Agrícolas (Jhonatas Simião)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *