Café especial: empresas brasileiras ampliam negócios na principal feira do Japão

Imprimir
A principal feira de cafés especiais da Ásia, a SCAJ World Specialty Coffee Conference and Exhibition 2017, realizada de 20 a 22 de setembro, em Tóquio, no Japão, contou com a participação de 21 empresas brasileiras, que realizaram US$ 4,97 milhões em negócios durante o evento e possuem prognóstico para a concretização de mais US$ 20,06 milhões nos próximos 12 meses (total de US$ 25,03 milhões), registrando alta de 13,6% na comparação com 2016, quando US$ 22,04 milhões foram movimentados por 25 empresas. A ação faz parte do projeto setorial “Brazil. The Coffee Nation”, desenvolvido em parceria pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Os trabalhos na feira foram conduzidos pela BSCA em um amplo estande com duas salas, que serviram para a realização de sessões de degustação dos cafés especiais de diversas origens produtoras brasileiras e para reuniões dos associados com clientes e potenciais compradores. No evento, a entidade também realizou degustação permanente dos cafés dos associados, sessões de cuppingcomplementares e a principal ação, a “Taste of the Harvest”. Houve, ainda, uma apresentação institucional realizada pelo presidente Adolfo Henrique Vieira Ferreira.

Segundo a diretora da BSCA, Vanusia Nogueira, o país asiático é um mercado estratégico para os cafés especiais nacionais, adquirindo volumes representativos do produto devido à posição de destaque conquistada pelo Brasil com a excelência na produção e os trabalhos de promoção, assim como pelos fortes vínculos construídos com a imigração japonesa.

“Nesse contexto, a SCAJ World Specialty Coffee Conference and Exhibition 2017 se estruturou como uma das principais portas de acesso aos mercados da Ásia, recebendo cerca de 30 mil pessoas ao ano, o que faz com que mantenhamos intensos trabalhos na feira e, também, países como Coreia do Sul, China, Emirados Árabes Unidos, além do Japão, como mercados prioritários no projeto setorial”, conclui Vanusia.

Fonte: BSCA Via Notícias Agrícolas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *