Café é debatido na Assembléia de Minas Gerais

Imprimir

Estratégias para o café em Minas foram pautas de discussão da Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG), representada pelo presidente, deputado Antonio Carlos Arantes e pelo consultor técnico, Fernando Jorge Barreto. A reunião, que aconteceu na quarta-feira (28/03), contou com apresentação das atividades e articulações promovidas pelo Polo de Excelência do Café (PEC/Café), desde sua fundação em 2007. O PEC/Café é uma iniciativa da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SECTES).

O objetivo da reunião foi a aproximação do Polo à ALMG, visando a construção de estratégias técnicas, mercadológicas e políticas para o café mineiro. Com histórica defesa pela cafeicultura, o deputado Antonio Carlos demonstrou interesse em apoiar as iniciativas de articulação entre pesquisadores, empresários e o governo, em busca de soluções inovadoras para o sistema agroindustrial do café.

O gerente executivo do Polo, Edinaldo José Abrahão, destacou a importância do café como pauta de discussão na ALMG. “Nos dias de hoje não basta buscar soluções técnicas e compartilha-lhas com o setor produtivo, é necessário que as representações políticas também façam parte ativamente desta articulação”, enfatizou. Abrahão apresentou um resumo dos projetos em desenvolvimento no PEC/Café e as novas articulações que estão sendo amarradas para solucionar velhos gargalos da cafeicultura. Um destes desafios tem reunido especialistas de diversas instituições para a construção de um amplo programa de georreferenciamento para todo Estado.

O professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Luis Gonzaga de Castro Júnior apresentou os projetos Agrocustos, Plataforma On Line de Comercialização e Bureau de Inteligência do Café. O Pesquisador do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Sérgio Parreiras Pereira, discorreu sobre a comunidade Manejo da Lavoura Cafeeira, do PEABIRUS, e sobre os novos projetos: Articulação Virtual do Café e Índice de Adequação à Sustentabilidade para Propriedades Cafeeiras.

O coordenador técnico estadual de Cafeicultura da Emater-MG, Marcelo Felipe, o gerente da unidade regional da Emater em Lavras, Marco Antônio Canestri e o coordenador técnico regional da Emater/MG, Marcos Fabri Júnior, apresentaram as conquistas do Programa Certifica Minas Café e sugeriram que as licitações de compra de café para as repartições públicas passem a requisitar a compra de um produto de qualidade certificada. Também foram apresentadas as ações do Circuito Mineiro de Cafeicultura, tradicional evento de extensão que conta com a participação de cerca de oito mil cafeicultores.

De acordo com Abrahão, a Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves inova ao reunir toda a estrutura da administração do Estado em um mesmo local, facilitando o trabalho conjunto entre as diversas secretárias e órgãos públicos. “O café servido neste espaço de referência também deve ser especial, ter qualidade certificada e, de preferência, com atributos de sustentabilidade”, destaca.

Fonte: Polo de Excelência do Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *