Café do Cerrado Mineiro está mais valorizado

Imprimir

Sete meses depois da conquista do selo de Denominação de Origem (DO), cafeicultores do Cerrado mineiro comemoram os resultados positivos gerados pela certificação nesse período. Entre eles, o maior valor de mercado do produto – entre 30% e 40% superior ao preço do café não certificado -, o que aumenta a lucratividade e estimula os investimentos em tecnologia. Como consequência, a projeção dos produtores é de crescimento em torno de 36% na produção em 2014.

A Denominação de Origem do café do Cerrado foi concedida no dia 31 de dezembro do ano passado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi).

De acordo com o superintendente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, Juliano Tarabal, as estimativas em relação ao café negociado com o selo DO são muito positivas. Somente neste ano serão produzidas com a marca cerca de 150 mil sacas de 60 quilos, frente às 110 mil sacas negociadas em 2013, um aumento de 36%.

O selo com a denominação de origem é utilizado em embalagens de café verde e industrializado. O selo contém qr code, que permite o rastreio completo do lote do café, indo desde a história do cafeicultor, laudos atestando a qualidade da bebida até o método de produção.

"A nossa maior demanda, cerca de 70%, é proveniente do exterior, principalmente dos Estados Unidos e do Japão. O selo agrega grande valor ao café, já que atesta que o produto é de alta qualidade e possui características únicas de uma região, o que é muito valorizado no exterior. Também temos o objetivo de comercializar o produto no mercado interno, que tem grande potencial de consumo e vem valorizando cada vez mais os cafés especiais", explica.

Ainda segundo Tarabal, a região que recebeu a Denominação de Origem engloba 55 municípios mineiros localizados no Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e Noroeste do Estado. Ao todo, são 4,5 mil cafeicultores responsáveis pela produção de 6 milhões de sacas de café ao ano.

Para ser negociado com o selo de DO, o café espécie arábica deve ser oriundo de propriedades ligadas às entidades filiadas à Federação dos Cafeicultores do Cerrado. Os produtores precisam cumprir as leis ambientais e trabalhistas. A bebida deve apresentar pelo menos 80 pontos nas regras estabelecidas pela Specialty Coffee Association of America (SCAA), cuja metodologia é reconhecida mundialmente. As lavouras devem estar situadas em áreas de 800 metros a 1,3 mil metros de altitude.

"A tendência é que o volume de café especial gerado na região e apto a ser negociado com o selo de Denominação de Origem cresça anualmente. Devido ao maior valor de mercado e à demanda aquecida, os produtores estão investindo cada vez mais nos meios produtivos para aumentar a qualidade e atender às exigências do selo", afirmou Tarabal.

Mercado – Ainda segundo o representante da federação, os preços pagos pelo café especial são lucrativos. Enquanto os cafés comuns são comercializados entre R$ 400 e R$ 410, o café do Cerrado é vendido com valores de 30% a 40% superiores, o que garante lucro aos cafeicultores. Por ser uma região plana, a mecanização da cultura é quase total e cerca de 40% da área são irrigados. De acordo com ele, o grande índice de mecanização é fundamental para que os custos sejam menores, já que a dependência da mão de obra é menor. Para produzir uma saca de 60 quilos são gastos, em média, R$ 300.

Em relação à safra atual, as expectativas são positivas, já que a produção e a qualidade continuam preservadas. "A falta de chuvas, que afetou drasticamente a produção de café nas demais regiões produtoras do Estado, não foi tão expressiva na nossa região. Foi também minimizada pelo uso da irrigação. Além disso, as lavouras estavam adubadas e com controle fitossanitário bem efetivo, ficando mais resistentes e evitando o impacto da estiagem. Com isso, se houver quebra, será de apenas 10%", explica.

Fonte: Diário do Comércio (Michelle Valverde)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *