Café capixaba é eleito o melhor do Brasil por Júri Técnico da ABIC

Imprimir
A etapa do Júri Técnico do 13º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café foi realizada na segunda-feira (05), no laboratório do Sindicato das Indústrias de Café do Estado de São Paulo. Foram selecionados 8 lotes finalistas, após avaliação da Qualidade Global conforme metodologia do PQC – Programa de Qualidade do Café, atribuindo-se uma pontuação de Zero a 10 pontos para cada um.

O microlote do cafeicultor José Alexandre Abreu de Lacerda, produzido no Sítio Córrego Pedra Menina, no município capixaba de Dores do Rio Preto, recebeu a maior avalição do grupo técnico: 8,43 pontos. Em segundo lugar, ficou o lote de café cereja descascado produzido por Antônio Rigno de Oliveira em São Judas Tadeu, em Piatã, Bahia, com 8,38 pontos. E em terceiro, mais um microlote: o do produtor Clayton Mapelli Cerri, do Sítio Anhumas, de São Sebastião da Grama, São Paulo, com 8,37 pontos.

A pontuação do Júri Técnico corresponde a 70% da nota final de cada lote inscrito. Faltam agora as notas de sustentabilidade da propriedade, com peso de 15%, e a avaliação do Júri Popular, integrado por consumidores, cuja pontuação equivale aos 15% restantes. Essas duas inovações foram incorporadas ao regulamento em 2015,

O Júri Técnico foi composto pelos especialistas Camila Arcanjo e Isabela Cristina Abreu do Monte, do GAC – Grupo de Avaliação do Sindicafé – São Paulo, Aline de Oliveira Garcia e Gina Maria Bueno Quirino Cardo, do ITAL, e Eduardo Carvalhaes, do Escritório Carvalhaes. Eles avaliaram a qualidade dos cafés na xícara, pontuando notas para atributos como fragrância, aroma, acidez, amargor, adstringência, corpo e sabor. A metodologia do PQC, criada há mais de dez anos pela Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), é única no mundo, pois analisa as propriedades do café já torrado e moído, da mesma forma que o consumidor encontra nas prateleiras dos supermercados.

Todos os lotes inscritos no Concurso Nacional foram selecionados pelos certames oficiais dos seguintes Estados produtores: Paraná, Bahia, São Paulo e Espírito Santo. Esta edição não contou com a participação de Minas Gerais.

Conforme calendário do Concurso, de 16 a 20 de janeiro será realizado o Júri Popular, com a participação de consumidores dos Estados participantes. No dia 26 de janeiro serão divulgados o café campeão e a relação dos finalistas. De 26 de janeiro a 3 de fevereiro acontecerá o leilão desses cafés, aberto a torrefadoras, cafeterias e demais pessoas jurídicas interessadas. No dia 7 de fevereiro serão divulgadas as empresas campeãs do leilão, que são aquelas que deram os maiores lances. Todos os cafés serão industrializados e chegam aos consumidores em abril, compondo a 13ª Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil.

1ª ETAPA – CLASSIFICAÇÃO DO JÚRI TÉCNICO

Classif.

Categoria

Nome

Propriedade

Cidade

UF

QG

1°

Micro Lote

José
Alexandre Abreu de Lacerda

SÍtio Córrego Pedra Menina

Dores do Rio
Preto

ES

8,43

2°

CD

Antônio
Rigno de Oliveira

São
Judas Tadeu

Piatã

BA

8,38

3°

Micro Lote

Clayton Mapelli Cerri

Sítio
Anhumas

São
Sebastião da Grama

SP

8,37

4°

CD

Flávia
Garcia Mureb Jacob Saldanha Rodrigues

Fazenda
Califórnia

Jacarezinho

PR

8,01

5°

CD

Homero
Teixeira de Macedo Jr.

Fazenda
Recreio

São
Sebastião da Grama

SP

8,00

6°

Micro Lote

Ceres
Trindade de Oliveira Santos

Sítio
São Joaquim

Joaquim
Távora

PR

7,93

7°

Natural

Evilásio Shigueaki Mori

Sitio Mori

Cambira

PR

7,82

8°

Natural

Antônio
César Neri de Sousa Santos

Fazenda
Primavera

Barra do
Choca

BA

7,76

Fonte: Tempo de Comunicação (Por Marília Moreira) via ABIC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *