Café arábica toca mínima de 3 meses e meio na ICE diante de depreciação do real

Imprimir
Os contratos futuros do café arábica negociados na ICE atingiram mínimas de três meses e meio nesta quinta-feira, recuando abaixo da marca de 1 dólar por libra-peso, diante da depreciação do real frente ao dólar e de preocupações de operadores quanto à possibilidade de o Brasil colher uma safra recorde.

CAFÉ

* O contrato julho do café arábica fechou em queda de 3,4 centavos de dólar, ou 3,15%, a 99,20 centavos de dólar por libra-peso, depois de atingir mínima de 98,55 centavos na sessão.

* O real caía em relação ao dólar, o que torna as exportações de café precificadas na divisa norte-americana mais atrativas nos termos da moeda brasileira.

* Além disso, o Brasil espera uma safra próxima ao recorde nesta temporada, justamente em um momento em que surgem sinais de enfraquecimento da demanda por arábica em meio à crise econômica.

* A Cooxupé disse que a colheita de café de seus cooperados havia alcançado 6,06% da área até 22 de maio, levemente à frente dos 5,5% colhidos em igual período de 2018, o último ano de alta no ciclo produtivo bienal do Brasil.

* O café robusta para julho fechou em queda de 33 dólares, ou 2,7%, a 1.177 dólares por tonelada.

* Os preços do café no Vietnã, maior produtor global de robusta, avançaram nesta semana, com produtores reduzindo seus estoques.

 

Fonte: Reuters (Por Maytaal Angel)