Café arábica recua de alta de três semanas na ICE com temores por geadas no Brasil

Imprimir
Os contratos futuros do café arábica na ICE recuaram nesta terça-feira após máximas de três semanas na sessão, em meio a preocupações com previsão de geada nesta semana no maior produtor, o Brasil.

O café arábica para setembro fechou em queda de 2,5 centavos de dólar, ou 1,5%, em 1,602 dólares por libra-peso. O contrato anterior atingiu a máxima desde o começo de junho, em 1,64 dólar.

Operadores afirmaram que o mercado provavelmente irá permanecer volátil esta semana, seguindo as atualizações de clima do principal produtor, o Brasil, onde uma forte massa de ar polar está se movendo pelo Sul e Sudeste.

Relatórios divulgados nesta manhã indicaram geadas no Estado do Paraná, principal área produtora de café do sul do Brasil. Porém, as geadas atingiram apenas regiões de produção de milho por enquanto.

Apesar do Estado possuir menos de 5% da produção total de arábica no Brasil, as geadas podem ter um efeito exponencial nos preços, pois podem matar o cafezal imediatamente.

Pesando no café, no entanto, havia quedas nos mercados financeiros mais amplos, onde prevaleciam os temores sobre uma nova variante da Covid-19.

O café robusta para setembro fechou em queda de 36 dólares, ou 2,1%, em 1.675 dólares a tonelada.

Fonte: Reuters (Por Marcelo Teixeira)