Café arábica cai para nova mínima de 13 anos na ICE

Imprimir
Os contratos futuros do café arábica na ICE recuaram para uma nova mínima de 13 anos nessa quinta-feira (11), com o real mais fraco no Brasil ampliando os desafios do mercado a respeito do excesso de oferta.

CAFÉ:

* O contrato maio do café arábica fechou em queda de 4 centavos de dólar, ou 4,2 por cento, a 90,25 centavos de dólar por libra-peso, após despencar para 90,15 centavos, sua mínima em mais de 13 anos.

* Esta foi a maior queda percentual diária do arábica desde o final de novembro, com o mercado sendo puxado para baixo pelo real mais fraco no Brasil, pelo iminente vencimento de opções e pelo excesso de oferta.

* O real perdeu força ante o dólar, o que pode encorajar a venda por produtores brasileiros.

* As opções de maio vencem na sexta-feira, o que pressionava o mercado, especialmente pelo número de opções de venda a um nível de cerca de 90 centavos, segundo operadores.

* Grandes exportações brasileiras tanto de arábica quanto de robusta continuam a pesar sobre os mercados do café, disseram operadores. Os embarques do Brasil no mês passado foram 14,2 por cento maiores que os de março de 2018, informou nesta quarta-feira o Cecafé.

* A Terra Forte, importante exportadora de café do Brasil, entrou com pedido de recuperação judicial na Justiça de Campinas (SP), informaram advogados da empresa na quarta-feira.

* O contrato maio do café robusta fechou em queda de 16 dólares, ou 2,3 por cento, a 1.392 dólares por tonelada, após tocar mínima de três anos a 1.381 dólares.

* As exportações do Vietnã, maior produtor de robusta do mundo, também têm sido fortes.

Fonte: Reuters (Reportagem de Ayenat Mersie em Nova York e Nigel Hunt em Londres)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *